Neil Tyson faz sua estreia em gibi do Superman (Fonte da imagem: Bad Astronomy/DC Comics)

Recentemente, Superman tomou uma decisão drástica em sua vida: pediu demissão e virou blogueiro. Agora, a DC Comics volta a surpreender os leitores, populando as histórias do Homem de Aço com detalhes científicos que ultrapassam os limites da ficção. Na edição 14 de “Action Comics Superman”, o renomado cientista (e meme do "Ui") Neil deGrasse Tyson aparece para dar mais detalhes sobre Krypton, o planeta onde o herói nasceu.

De acordo com Phil Plait, criador do blog Bad Astronomy, a única informação oficialmente divulgada a respeito de Krypton é que o planeta orbitava uma estrela vermelha. Esse tipo de estrela pode ser muito pequena e fraca ou, então, uma supergigante massiva, como é o caso de Betelgeuse, que possui dezenas de vezes o tamanho do nosso Sol.

Krypton orbita uma estrela real

Agora, a DC Comics contatou o astrônomo Neil Tyson para que ele encontrasse uma estrela que pudesse ser orbitada por Krypton. E o trabalho não foi muito fácil. As supergigantes, por exemplo, não serviriam para o caso, já que elas explodem e se transformam em uma supernova quando ainda são muito jovens. Isso teria devastado Krypton antes de ele poder abrigar uma civilização avançada.

LHS 2520 possui um quarto da massa do Sol e um terço do seu diâmetro (Fonte da imagem: Bad Astronomy)

Já as gigantes vermelhas poderiam se encaixar bem na história, se não fosse por um pequeno detalhe: nenhuma delas possui a distância certa para caber dentro da história. Portanto, a única saída seria encontrar uma estrela anã-vermelha, que além de existirem aos milhares, podem ser bastante velhas e possuem a distância esperada para estar de acordo com o roteiro.

Com todas essas considerações em mente, a estrela escolhida por Tyson foi a LHS 2520, que fica ao sul da constelação do Corvo.

Presença de vida em Krypton seria difícil

Com base nos dados fornecidos pela nova revista e com a experiência de seu próprio trabalho como astrônomo, Phil Plait realizou alguns cálculos por conta própria e chegou à conclusão de que a LHS 2520 talvez não seja capaz de oferecer as condições mínimas necessárias para o surgimento de vida em Krypton.

Segundo Plait, a anã-vermelha eleita por Tyson fica a “apenas” 100 milhões de quilômetros do planeta natal de Kal-El, o que é mais perto do que estamos do nosso Sol (150 milhões de km). Porém, o sol de Krypton é tão fraco e frio que tornaria o planeta bastante gelado, com temperatura média de -170 ºC.

Representação artística de uma estrela anã-vermelha (Fonte da imagem: NASA)

Nessas condições, o oxigênio e o nitrogênio ainda estão em suas formas gasosas, mas não a água. Portanto, Krypton não parece ser o melhor planeta para que a vida surja. Entretanto, Plait afirma que a DC Comics pode dar outro rumo para a história, contando, por exemplo, que os kriptonianos migraram para lá na tentativa de encontrar um novo lar.

A nova edição de “Action Comics Superman” sai no dia 7 de novembro. Os fãs brasileiros podem comprá-la online, pela plataforma de revistas digitais da própria DC Comics (para isso, é necessário possuir um cartão de crédito internacional).

Cupons de desconto TecMundo: