A cinebiografia “Steve Jobs” sofreu com críticas negativas antes mesmo de estrear. Nomes como Tim Cook, Jony Ive – o CEO e o chefe de design da Apple, respectivamente – e Laurene Powell Jobs, viúva do criador do Macintosh, disseram que o personagem principal em nada lembra o verdadeiro Steve. O resultado de tanta publicidade negativa foi uma péssima performance na bilheteria americana, o que fez o filme ser retirado de 2.072 salas de cinema nesta semana.

Em cartaz nos EUA há um mês, desde o dia 9 de outubro, o longa-metragem arrecadou até aqui apenas US$ 16 milhões (cerca de R$ 63,1 milhões), valor que era esperado apenas para o seu primeiro fim de semana em exibição. A título de comparação, a nova aventura de 007 faturou US$ 73 milhões (cerca de R$ 277,6 milhões) apenas em seu final de semana de estreia.

Apesar de não haver como saber o que fez o público deixar o título de lado, o roteirista Aaron Sorkin tem uma teoria. De acordo com ele, o filme foi acusado muitas vezes de ser impreciso, mostrando apenas os defeitos de Jobs pessoal e profissionalmente, enquanto deixou suas qualidades de lado. Sorkin se defende dizendo que há somente uma liberdade artística em todo o roteiro, que são as cenas em que o idealizador do Mac sempre discutia com alguém antes das apresentações dos novos produtos Apple.

Mesmo grandes nomes na produção, como o diretor Danny Boyle e o9s atores Michael Fassbender, Kate Winslet, Seth Rogen e Jeff Daniels, não foram o suficiente para encher os cinemas. Atualmente o filme só está em exibição em 421 salas em todos os Estados Unidos.

Você pretende assistir ao filme "Steve Jobs" quando estrear no Brasil? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: