A Solid Power recebeu US$ 20 milhões para desenvolvimento de baterias em estado totalmente sólido. O investimento foi injetado por gigantes, como Samsung, Hyundai e A123 Systems. A startup fundada em 2012 garante já possuir um protótipo recarregável desse modelo, que promete ser o sucessor das baterias convencionais de íons de lítio  hoje produzidas com simplificadores e elétrodos em estado líquido.

O valor obtido deve ser usado para construção de uma pequena fábrica em Louisville, no estado do Colorado, onde ocorrerá a produção em larga escala do material em formato rolo a rolo, considerado padrão no ramo industrial. Segundo comunicado oficial da empresa, “As baterias de estado sólido são um divisor de águas para os mercados de eletrônicos, defesa e dispositivos médicos, e a tecnologia da Solid Power está pronta para revolucionar o setor com um produto competitivo, prestando atenção especial à segurança, ao desempenho e ao custo”.

Quando a fábrica estiver em funcionamento, a startup deverá testar as baterias em estado sólido para companhias de diversos ramos, dentre elas a BMW, com a qual fechou um contrato em dezembro do ano passado. Caso os testes sejam bem-sucedidos, os produtos já poderão ser oferecidos comercialmente em 18 meses. Se as receitas de fato forem satisfatórias, a Solid Power também irá ajustar e ampliar sua tecnologia com o objetivo de tornar sua bateria a principal para veículos elétricos.

Conforme o site Quartz, especializado em Economia global, só no primeiro semestre de 2018 foi injetado o dobro do valor investido em 2017 em startups desse meio. Já de acordo com o Bloomberg New Energy Finance, esse segmento deve saltar dos atuais 100 gigawatts/hora (GWh) para mais de 1.500 GWh até 2030. Assim, o que se espera é um mercado com retorno bilionário para investidores e, evidentemente, para empresas que produzem as baterias.

Por que as baterias em estado sólido são tão atraentes?

Nas baterias convencionais são usados elétrodos — condutores elétricos — e separadores líquidos, considerados materiais altamente inflamáveis. Devido a esse aspecto, a versão em estado sólido é mais segura, uma vez que esses componentes são dispensáveis. Tal ausência daria espaço para a aplicação de melhorias nos dispositivos em que ela estivesse presente.

A eliminação deles também permitiria que projetistas usassem um material anódico mais denso em energia, se comparado com as baterias comuns, como é caso dos ânodos — elétrodos positivos para o qual se dirigem os elétrons e íons negativos — de lítio de metal. Logo, esse formato garantiria o dobro de densidade energética em relação àquela encontrada nas baterias de íons de lítio.

A ideia é boa, mas ainda tem seus desafios

Embora a produção de baterias totalmente sólidas seja muito interessante para a alimentação energética de vários equipamentos do futuro, ela ainda enfrenta alguns desafios. Parte deles é que a eficiência no transporte de cargas de um elétrodo para outro é consideravelmente mais complicada nesse estado do que no líquido.

A consequência disso é que é preciso obter materiais sólidos com maior poder de condução, o que encarece a produção em massa das novas baterias em relação às tradicionais. Logo, embora muitos especialistas acreditem no seu poder, ainda se veem céticos quanto à sua fabricação em larga escala, pelo menos de modo rápido.

Por isso, desenvolver uma tecnologia que ainda deve ser comprovada a um preço reduzido já se torna um grande desafio para a Solid Power. Esse fator acabou levando outros nomes do setor, como a própria A123 Systems e a Aquion, a encerrarem suas operações nos Estados Unidos, devido à dificuldade de competir no mercado, em especial o ocupado pelas baterias de íons de lítio.

O foco na solução não é exclusivo da empresa, pois outras startups também estão trabalhando em protótipos do mesmo modelo; dentre elas estão: Pellion Technologies, Sion Power e Solid Energy Systems. Na Ásia, companhias importantes do segmento, como a sua investidora Samsung, LG e CATL também estão interessadas em criar sua própria tecnologia nesse sentido. Assim, mesmo com muita autoconfiança e um bom investimento, a Solid Power enfrentará muitos competidores.