Grandes montadoras já consagradas na indústria automotiva participam de uma espécie de corrida simbólica em busca do futuro do transporte particular de pessoas. Essas empresas estão desenvolvendo tecnologias que vão permitir que carros andem de maneira autônoma fazendo uso de sistemas de inteligência artificiam, que outras fontes de energia renováveis sejam exploradas para abastecer os veículos e, claro, que nossos automóveis sejam capazes de voar com precisão e segurança para passageiros e pedestres.

O protótipo da Vertical Aerospace é uma aeronave de eVTOL, que significa, traduzindo para o português, decolagem e pouso vertical elétricos

É aí que entra uma relativa desconhecida no cenário, mas que tem objetivos e promessas de gente grande. Trata-se da Vertical Aerospace, startup fundada em 2016 pelo CEO da OVO Energy Stephen Fitzpatrick e que agora já realiza seus primeiros voos de teste para que em 2018 já exista uma frota de táxi voadores capazes de levar passageiros entre cidades britânicas.

Tudo nos trilhos

O protótipo da Vertical Aerospace é uma aeronave de eVTOL, que significa, traduzindo para o português, decolagem e pouso vertical elétricos, ou seja, que utiliza eletricidade para realizar seus movimentos. Após te conseguido permissão dos órgãos responsáveis pela fiscalização do espaço aéreo na Inglaterra, a startup começou a fase de testes no Aeroporto de Cotswold, em Gloucestershire.

“Aprendemos muito com a Fórmula 1, tanto em termos de tecnologia quanto em ritmo de desenvolvimento. Os materiais leves, aerodinâmica e sistemas elétricos desenvolvidos pela F1 são altamente aplicáveis às aeronaves – muito mais do que ao transporte rodoviário", disse Fitzpatrick. Se tudo der certo, em quatro anos vamos poder voar de táxi sobre a Inglaterra e talvez antes do que as grandes empresas possam conseguir.