O site The Hollywood Reporter, um dos veículos de imprensa mais importantes da indústria de entretenimento, publicou uma grande reportagem analisando os esforços do estúdio Warner Bros. em criar um universo compartilhado com diversos filmes baseados nos heróis da DC Comics — e como a companhia pode estar tendo problemas com isso!

Como todos os fãs de quadrinhos bem sabem, o estúdio anunciou uma série de filmes estrelando personagens da DC para os próximos anos, incluindo longas da Liga da Justiça e aventuras solo da Mulher Maravilha, do Flash, Aquaman e Lanterna Verde. O esquema de produção, desde seu início, parecia copiar o modelo da Marvel Studios, que vem lançando com muito sucesso obras cinematográficas interligadas desde o primeiro Homem de Ferro (de 2008).

Porém, como nota a reportagem, diferente da Marvel, a Warner Bros. carece de um executivo que supervisione todo esse universo ficcional que a empresa pretende criar. Na Marvel, o todo-poderoso Kevin Feige, presidente da divisão cinematográfica da companhia, é quem gerencia todos os filmes. Na Warner, não há quem exerça essa função de dar uma visão e um direcionamento para todas as produções e comande a continuidade entre cada longa-metragem baseado nos personagens da DC.

A figura mais próxima disso é o diretor Zack Snyder, que comandou o filme Homem de Aço (de 2013) e deu início a esta proposta de universo compartilhado da DC. Porém, apesar de estabelecer o tom e os principais intérpretes, Snyder ainda está ocupado com Batman vs. Superman: A Origem da Justiça, longa que dá continuidade a essa grande narrativa e que estreia em março de 2016. Por isso, o diretor não tem tempo de supervisionar os demais projetos com os super-heróis da companhia.

Outros nomes aparecem no comando da franquia, como Kevin Tsujihara, CEO da Warner Bros., além de outros produtores do estúdio e executivos da DC Comics. Contudo, não há uma pessoa que centralize as tomadas de decisões, e isso se reflete em um esquema de produção que está sendo bastante criticado nos bastidores da indústria.

Um exemplo disso é o fato de o estúdio ter encomendado scripts de Mulher Maravilha para cinco roteiristas diferentes — que estariam competindo entre eles, e não trabalhando em conjunto! Cada um recebeu um trecho da história, e foi-lhes solicitado que escrevessem o primeiro ato do filme com base nesse argumento. Desses cinco roteiristas, a Warner selecionou dois, que continuam disputando a vaga. Um informante que acompanha o processo teria comentado que parece que o estúdio “está jogando merda contra a parede para ver o que gruda”. Procedimento semelhante está sendo adotado para a elaboração do roteiro de Aquaman, com pelo menos três roteiristas envolvidos no projeto. Enquanto isso, o diretor David Ayer está atualmente gravando o filme Esquadrão Suicida, previsto para chegar aos cinemas em agosto de 2016. Sem supervisão ou um plano orientador, Ayer segue as filmagens com total autonomia. Por um lado, conclui a reportagem, pode ser que a Warner Bros. consiga apresentar longas mais autorais e diferentes que a sua rival. Por outro, pode ser que a falta de liderança comprometa a integridade e o sentido de continuidade entre os filmes desse universo compartilhado proposto.

O que você acha? Qual é o seu sentimento em relação aos planos de filmes da Warner e da DC? Deixe o seu comentário abaixo.

Via MinhaSerie

Cupons de desconto TecMundo: