Bilionário da Amazon vai ao espaço: como foi o voo de Jeff Bezos

3 min de leitura
Imagem de: Bilionário da Amazon vai ao espaço: como foi o voo de Jeff Bezos
Imagem: Joe Raedle/Getty Images
Avatar do autor

O bilionário fundador da Amazon de 57 anos, Jeff Bezos, realizou na manhã desta terça-feira (20) um outro feito notável, além de ser o homem mais rico do mundo: fez a sua primeira viagem espacial, a bordo da aeronave New Shepard construída pela sua companhia, a Blue Origin.

A New Shepard decolou às 10h12 (horário de Brasília) e teve uma duração aproximada de dez minutos. Projetada para ser guiada por condução autônoma, isto é, sem o uso de pilotos, a missão da Blue Origin decolou de um deserto no estado do Texas, nos Estados Unidos, e foi inteiramente bem-sucedida.

Ao lado de Jeff Bezos, estavam presentes também seu irmão, Mark Bezos, e a pessoa mais velha e a mais nova a viajarem ao espaço: a aviadora estadunidense, Wally Funk, de 82 anos, e o jovem holandês de 18 anos Oliver Daemen.

Tripulação da New Shepard em frente ao foguete, no Texas.Tripulação da New Shepard em frente ao foguete, no Texas.Fonte:  Blue Origin 

A New Shepard realizou um voo suborbital espacial, ou seja, um voo que atinge o espaço, mas que, entretanto, não realiza uma órbita completa ao redor da Terra. Neste tipo de voo, a aeronave atinge uma altitude igual ou superior a 100 quilômetros, limite conhecido como Linha de Karman, que delimita a atmosfera da Terra e o espaço.

A altitude foi escolhida pela Federação Aeronaútica Internacional (FAI, da sigla em francês Fédération Aéronautique Internationale) porque é a região aproximada em que uma aeronave ou foguete, voando rápido o suficiente para aguentar seu próprio peso com sustentação aerodinâmica da atmosfera da Terra, estaria voando mais rápido do que a velocidade orbital. Voos abaixo deste limite são por vezes chamados de voos suborbitais, mas não são voos espaciais.

Perfil de voo da New Shepard.Perfil de voo da New Shepard.Fonte:  Blue Origin 

Pouso perfeito

A aeronave de Bezos, cujo nome homenageia Alan Shepard (primeiro estadunidense a ir ao espaço 60 anos atrás, em 1961) realizou nesta manhã o 16º voo da Blue Origin, porém, foi o primeiro com passageiros civis a bordo. Três minutos após a decolagem, o módulo com os passageiros foi desacoplado do propulsor e continuou subindo até cruzar o limite dos 100 quilômetros.

Enquanto os passageiros na cápsula passavam cerca de três minutos de voo livre, experimentando e curtindo a sensação de falta de peso e uma vista única do nosso planeta, o propulsor da New Shepard retornava de forma controlada à Terra, religando os motores e direcionando a propulsão para o sistema de freios, até pousar na vertical, de forma similar ao Falcon 9, da SpaceX.

Tripulação da New Shepard em voo livre no espaço.Tripulação da New Shepard em voo livre no espaço.Fonte:  Blue Origin/Reuters 

Em seguida, terminado os preciosos minutos de voo livre, a cápsula retornou à Terra em queda livre, amortecendo o peso e reduzindo a velocidade de descida com o auxílio de três grandes paraquedas, até pousar no solo suavemente às 10h22. Ao saírem da cápsula, todos os passageiros aparentavam estar bem.

Cápsula da Blue Origin retorna em segurança à Terra.Cápsula da Blue Origin retorna em segurança à Terra.Fonte:  Tony Gutierrez/AP 

Embora possuam interesses e objetivos similares para fomentar o turismo espacial, muitas características diferem o voo de Jeff Bezos do voo realizado na semana passada por Richard Branson e a empresa aeroespacial rival, Virgin Galactic. No dia 11 de julho deste ano, foi realizado o primeiro voo suborbital da Virgin Galactic, que também contava com seu fundador a bordo.

Ao contrário do voo da Blue Origin, Branson foi ao espaço a bordo de um avião não-convencional acoplado a uma unidade de foguete chamada VSS Unity, que se desprendeu do porta-aviões e seguiu em direção ao limite entre a atmosfera e o espaço. Além disso, Branson experimentou uma maior experiência de voo livre e o voo total, entre subida e descida, durou mais de uma hora. Bezos, porém, chegou mais alto, passando um pouco dos 100 quilômetros de altitude, enquanto Branson ficou em uma altitude aproximada de 89 quilômetros.

Bilionário da Amazon vai ao espaço: como foi o voo de Jeff Bezos