Liberdade e criatividade são as palavras de ordem quando o assunto é Minecraft. Muito jogadores torcem o nariz ao ouvirem falar sobre o inventivo título criado pelo sueco Markus "Notch" Persson. Os gráficos toscos e a jogabilidade pouco elaborada realmente não chamam a atenção, mas é nessa simplicidade que reside o charme do título, cujo cerne é muito mais complexo do que a superfície.

Desenvolvido em um sistema aberto, com participação ativa dos jogadores, Minecraft promoveu uma verdadeira evolução dos video games, entregando o futuro das narrativas emergentes. Sem qualquer trama condutora, o foco é experimentar todo o universo de jogo.

A versão final de Minecraft foi ao ar no dia 18 de novembro de 2011 e já conta com mais de um milhão de cópias vendidas — número alcançado ainda em janeiro, quando o jogo ainda rodava em Beta. Mas afinal de contas, qual é o apelo de Minecraft?

Aprovado

Criar, destruir, transformar...

O conceito de Minecraft é simples: explore o seu mundo. Na verdade não há um objetivo concreto, uma história ou qualquer outro evento significativo que realmente promova a ação. Podemos dizer que Minecraft é a síntese da narrativa emergente — quando a “história” é a própria interação do jogador com o jogo.

Essa liberdade é o bálsamo criativo que permeia toda a jogabilidade de Minecraft. Mesmo sem ter que fazer algo, você instintivamente começará a agir e a buscar formas cada vez mais inventivas de manipular os elementos que compõem o cenário.

(Fonte da imagem: Divulgação/Mojang)É muito fácil perder a noção do tempo conforme coleta materiais que custearão suas obras e itens. É interessante perceber como o jogo transpassa um sentimento de conquista a cada novo objeto combinado ou estrutura erguida.

Minecraft é envolvente porque mexe com o desejo criativo de cada um. Basicamente é uma tela digital na qual o jogador pode ventilar seus anseios artísticos.

Uma mão amiga

Uma das bases de Minecraft é a interação entre os jogadores, transformando o título em uma espécie de MMO de criação. Graças ao multiplayer do jogo, você poderá compartilhar o seu lar, ingressar no mundo de outras pessoas ou quem saber formar uma cooperativa para criar um novo universo em colaborativamente.

Mais uma vez a palavra de ordem é criatividade. Além disso, ainda temos o prolífico reino das modificações (mods), que tornam toda a experiência ainda mais inventiva. Mapas e texturas criadas por outros jogadores transformam Minecraft em algo verdadeiramente artístico.

Crafting

O grande trunfo de Minecraft é o engenhoso e incrivelmente simples sistema de edição de itens. Baseado na mera combinação de elementos em uma grade de 2x2 ou 3x3, o esquema viabiliza várias combinações de materiais diferentes.

Transformar toras em ripas e ripas em varetas é tão natural e recompensador quanto fundir metais e lapidar joias. O esquema de crafting permite que você misture os diferentes materiais disponíveis no mundo de jogo em formações distintas para obter artigos específicos.

(Fonte da imagem: Divulgação/Mojang)O mais interessante é que o funcionamento do sistema é simples, porém a dinâmica é extremamente complexa, haja vista a enorme quantidade de combinações possíveis. Para criar basta posicionar os materiais no editor, porém, cada ordenação e combinação de item apresenta um resultado diferente; são 200 receitas básicas e muitas outras correlatas.

Sobreviver

Como se isso já não bastasse, Minecraft ainda conta com um modo no qual, além de explorar o cenário você ainda deve suportar aos ataques de uma legião de criaturas sombrias. Essa é a modalidade mais interessante de jogo, pois exige que o jogador se aventure pelo mundo ao mesmo tempo em que o modifica.

A cada noite uma horda de criaturas sinistras ameaça a sua vida. Para se proteger você deve criar fortalezas e armadilhas. Assim, o esquema de ciclos de noite e dia se torna ainda mais interessante, estabelecendo uma tensa dinâmica na qual os dias são reservados para a construção de novas estruturas defensivas, enquanto que às noites são vigílias contra as investidas malignas.

Reprovado

O que eu faço agora?

(Fonte da imagem: Divulgação/Mojang)O grande problema de Minecraft é advindo precisamente da sua proposta livre, na qual as interações jogador/ambiente e jogador/jogador são a base conceitual do jogo. Assim, o jogo peca por não trazer instruções, deixando você à deriva sem qualquer coordenada ou informação de como proceder.

A jogabilidade pode ficar muito confusa sem um fio condutor que mostre alguns dos caminhos disponíveis; por exemplo, não há nenhuma informação sobre como criar itens, ou como extrair materiais.

Felizmente, a maioria dos utilizadores de Minecraft se conscientizou desse aspecto social do jogo e uma série de fóruns e sites especializados trazem listas de receitas dicas de construção e muitos mapas compartilhados. Muitos jogadores acabam se transformando em mentores virtuais, ensinando passo a passo como jogar em longas sessões online.

Essa interação online nos levanta outro problema, o sistema multiplayer. Apesar de ser um dos pontos altos de Minecraft, o multiplayer não é nada intuitivo e você terá algum trabalho para configurar todo o sistema e estabelecer o seu servidor. Na verdade você só consegue se conectar aos servidores de jogo se souber o endereço dos mesmos.

Vale a pena?

De tempos em tempos encontramos jogos que marcam para sempre a história dos video games e Minecraft é um desses títulos. A produção mostrou que é possível ser inventivo sem grandes recursos e provou que “modéstia” tecnológica não é necessariamente restritiva.

O título conta com uma estética singular, o visual poligonal evoca um estilo 8-bit que sublima qualquer problema cosmético. De fato, você não encontrará gráficos de alta qualidade, mas charme dos blocos é inegável, além de extremamente funcional.

A versão final de Minecraft ainda apresenta alguns problemas de desempenho, porém, a dinâmica de jogo é tão envolvente que você nem se preocupará com tais defeitos. A proposta inovadora do título transformou em um clássico instantâneo e já figura na galeria dos melhores jogos já feitos, apesar da sua aparente simplicidade.