Lembra do conceito Budd-e de minivan elétrica que a Volkswagen trouxe aqui para o Salão do Automóvel de São Paulo (clique aqui para refrescar a memória, se for o caso)? Por mais que ainda não tenhamos muitas novidades no sentido de ver algo como ele entrar realmente em produção, parece que a fabricante realmente pegou gosto pela ideia de renovar a antiga Kombi, já que resolveu apresentar mais um veículo conceitual, o I.D. Buzz, durante o Salão de Detroit.

Seguindo a mesma filosofia do primeiro conceito I.D., apresentado ao mundo durante o Salão de Paris no ano passado, o Buzz traz a visão daquilo que a marca imagina para seu futuro, baseando-se em veículos com zero emissão de gás carbônico. “Em 2025 queremos vender um milhão de carros elétricos por ano, tornando a mobilidade elétrica a nova marca registrada da Volkswagen”, afirmou Herbert Diess, presidente do conselho de administração da empresa.

O objetivo é atingir vendas de um milhão de veículos elétricos por ano em 2025

O I.D. Buzz apresenta tração nas quatro rodas, com motores movidos a eletricidade tanto no eixo dianteiro quanto no traseiro, conta com um modo de condução totalmente autônomo chamado I.D. Pilot e traz “uma nova geração de indicadores e controles. Baseado na nova plataforma modular elétrica (MEB, na sigla em inglês) da fabricante, o carro também tem seu espaço interior customizável e, de acordo com os critérios do NEDC, chega a 600 km de autonomia.

Caminhando para o futuro

A ideia é que o I.D. Buzz possa ser reabastecido tanto por indução eletromagnética – ou seja, simplesmente ao andar por vias ou parar em vagas preparadas com a tecnologia de recarga sem fio – quanto ao ser plugado em estações de recarga. De acordo com a Volkswagen, o veículo tem potência de carga de 150 kW e são necessários cerca de 30 minutos para preencher até 80% da bateria. A velocidade máxima é limitada em 160 km/h, mas a aceleração permite ir de zero a 100 km/h em 5 segundos graças aos motores com 374 cv de potência combinada.

A empresa pretende lançar a família I.D. em 2020, já com propulsão 100% elétrica. O I.D. Pilot, por sua vez, está previsto para 2025. Dessa forma, caso os planos sejam levados adiante sem empecilhos, o Buzz deve ser o primeiro multiuso da marca a sair já com ambos os recursos, vindo até com um sistema que faz com que baste dar um leve empurrão no volante para que ele se funda ao cockpit, trocando o modo manual para o modo de piloto automático.

Enquanto o condutor estiver livre da direção, poderá girar seu banco para trás e interagir livremente com os passageiros – cujos assentos também podem ser rotacionados, deitados e até movidos por trilos no piso do carro. A movimentação segura do veículo em modo autônomo é garantida por scanners a laser, sensores ultrassônicos, sensores por radar, câmeras de área e uma câmera dianteira, além de dados do trânsito recebidos por meio de conexão à internet.

A posição dos bancos poderá ser adaptada conforme a necessidade dos usuários

Painel? Que painel?

Outra diferença do I.D. Buzz é a eliminação dos painéis tradicionais. O conceito projeta em 3D as informações mais importantes em um Head-up Display (HUD) de realidade aumentada no campo de visão do motorista. Itens como o sistema de infoentretenimento e o ar-condicionado são gerenciados por meio de um tablet removível e os controles principais para a condução ficam no volante, que troca os botões atuais por um touchpad capacitivo.

E aí, o que você achou do novo “sucessor espiritual” das antigas Kombis da Volkswagen? Deixe sua opinião nos comentários.