(Fonte da imagem: Divulgação / Apple)

Muito já foi comentado sobre a morte de Steve Jobs, ocorrida nesta quarta-feira (05), mas pouco se sabe sobre o período que antecedeu ao falecimento do cofundador e ex-CEO da Apple. Em entrevista ao The New York Times, o médico pessoal de Jobs, Dean Ornish, comentou sobre o estado de saúde de seu paciente mais célebre, além de como ele passou os últimos meses antes da morte.

De acordo com Ornish, por exemplo, o aviso de que o câncer estaria em estágio terminal – e que restava pouco tempo de vida ao empresário – foi feito em fevereiro deste ano. Vale lembrar que a renúncia de Jobs ao cargo na Apple foi apenas em agosto, época em que ele já aparentava estar bastante abatido pela doença.

A partir daí, uma legião de amigos e fãs do trabalho de Jobs tentava visitá-lo em sua casa, localizada em Palo Alto, Califórnia. Laurene, a esposa do empresário, era quem atendia a maioria das ligações e avisava que o marido estava cansado demais para receber visitas. Em suas últimas semanas de vida, ele estaria tão fraco que mal conseguia subir as escadas de casa.

Mas nem a falta de força o impediu de fazer o que mais gostou durante toda a vida: planejar. De acordo com Ornish, Jobs iniciou uma série de encontros com pessoas importantes, como John Doerr e Bill Campbell, altos investidores da Apple, além do presidente da Disney, Robert Iger. Ele até teria dado instruções a sua antiga equipe sobre a apresentação do iPhone 4S, que aconteceu na última terça-feira (04).

Mas o tempo era bem dividido com sua família, que Jobs considerava como seu maior bem – “ele preferiu ‘dez mil vezes’ ter filhos do que fazer qualquer outra coisa na vida”, disse Ornish ao jornal.

Cupons de desconto TecMundo: