Lua teve oceano de magma por cerca de 200 milhões de anos

2 min de leitura
Imagem de: Lua teve oceano de magma por cerca de 200 milhões de anos
Imagem: Reprodução
Avatar do autor

Um novo estudo indica que o satélite natural da Terra pode ter tido um oceano incandescente por cerca de 200 milhões de anos, um tempo muito superior ao indicado por hipóteses científicas estabelecidas até então. A descoberta pode auxiliar na compreensão da evolução do nosso sistema, uma vez que a Lua nasceu pouco após a formação de nosso lar.

Acredita-se que o surgimento do corpo celeste ocorreu depois da colisão de dois protoplanetas, também chamados de embrionários, sendo que um deles deu origem a nosso planeta e o outro, um objeto do tamanho de Marte, chamado Theia, foi pulverizado, aquecendo as coisas no espaço.

Impacto massivo entre corpos celestes deu origem à Terra e à Lua.Impacto massivo entre corpos celestes deu origem à Terra e à Lua.Fonte:  Reprodução 

Maxime Maurice, cientista planetário do Centro Aeroespacial Alemão em Berlim, explica a importância da pesquisa: "A lua primitiva, que se acumulava nos destroços desse impacto massivo, era muito quente — quente o suficiente para que seu manto rochoso fosse derretido e formasse o que chamamos de oceano de magma".

Evidências do acontecimento já foram encontradas devido à composição da crosta lunar, formada por resíduos flutuantes cristalizados pelas condições do ambiente. "Enquanto a ideia da existência do oceano é aceita por grande parte da comunidade científica, o tempo para que ele se solidificasse permaneceu um mistério por muito tempo. Modelos anteriores indicavam que foi realmente rápido. Apenas algumas dezenas de milhões de anos", complementa Maurice.

Rápido para o Universo, é claro, só que o período, aparentemente, foi muito maior.

Oceanos de magma podem ter durado bem mais que se acreditava até então.Oceanos de magma podem ter durado bem mais que se acreditava.Fonte:  Reprodução 

Umas rugas a mais

Um novo modelo que validasse a influência de diversos processos daquela época desconsiderados até agora foi desenvolvido pelos pesquisadores à frente da revelação, como a chamada convecção do manto, o modo como os redemoinhos podem se formar e agitar rochas derretidas e que, na Terra, causam o vulcanismo.

A partir desses detalhes, Maxime e sua equipe chegaram à conclusão de que a solidificação pode ter durado de 150 milhões a 200 milhões de anos, cerca de 10 vezes mais que o previsto inicialmente. Além disso, novas informações quanto à idade da Lua foram descobertas e sugerem que ela se formou entre 4,4 bilhões e 4,45 bilhões de anos atrás, adicionando de 50 milhões a 100 milhões de velas a seu aniversário e aproximando a data à de surgimento do núcleo terrestre.

Calma de hoje em dia demorou bilhões de anos para acontecer.Calma de hoje em dia demorou bilhões de anos para acontecer.Fonte:  Reprodução 

Caso as estimativas sejam acertadas, é possível que o evento das grandes colisões, a última etapa da origem dos planetas, ainda estivesse ativo 150 milhões de anos após a formação do Sistema Solar. "Existe uma forte ligação entre o nascimento da Lua e a formação do núcleo da Terra, uma vez que o impacto massivo possivelmente resultou em um derretimento de larga escala do manto de nosso planeta, auxiliando na criação da camada mais interna. Foi incrível ver que nossos resultados evidenciaram todas essas implicações", finaliza Maurice.

Leia também:

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Lua teve oceano de magma por cerca de 200 milhões de anos