(Fonte da imagem: divulgação/Ubisoft)

 Convenhamos, poucas coisas são mais constrangedoras para quem entende um mínimo de computadores do que aquelas missões apoteóticas de Hollywood, em que um programador esquisitão e antissocial soca algumas teclas para invadir um sistema, disparar um vírus ou algo que o valha — sempre com expressões como “Bingo!” ou “É isso!”. Bem, é justamente isso que a Ubisoft quer evitar que ocorra no seu alardeado Watch Dogs.

Para tanto, a sucursal da desenvolvedora em Montreal resolveu buscar alguns conselhos de quem realmente deve entender do assunto, a fim de tornar a coisa toda mais verossímil. A empresa de segurança escolhida, no caso, foi a Kaspersky Lab. “Eles realmente são experts em hacking”, disse o produtor sênior do game, Dominic Guay, em entrevista ao site Joystiq.

Ele continua: “Nós mandamos a eles alguns dos nossos designs e pedimos um feedback, e as respostas foram interessantes. Às vezes eles diziam ‘Sim, é possível, mas troque esta palavra’, ou ‘Não é assim que isto funciona’”.

Embora não pretenda tratar de missões de hacking em profundidade, toda a experiência de Watch Dogs será centrada em um personagem que é uma mistura entre assassino e hacker — o que já é uma boa dose de clichê, naturalmente. A atividade de invadir sistemas deve aparecer a todo o momento, conforme Aiden Pearce abre caminho através de uma versão hi-tech da cidade de Chicago.

Via BaixakiJogos

Cupons de desconto TecMundo: