A poeira dos casos de pirataria envolvendo o fundador do finado site Megaupload, Kim Dotcom, já baixou — mas isso não significa que ele ainda não enfrente uma série de processos envolvendo estúdios de Hollywood, órgãos reguladores de direitos autorais, gravadoras e o governo dos Estados Unidos.

Disposto a limpar o próprio nome, Dotcom ofereceu uma pequena "recompensa" a quem resolver ajudá-lo e tiver informações privilegiadas. Segundo o site TorrentFreak, ele está oferecendo US$ 5 milhões (cerca de R$ 11 milhões) para delatores que, sem custo algum e com participação jurídica legalizada, ajudem o empresário a vencer algum dos casos na corte.

"Deixem-me ser claro, estamos perguntando por informações que provem conduta ilegal ou corrupta pelo governo dos Estados Unidos ou da Nova Zelândia, agências de cumprimento da lei e Hollywood", disse Dotcom. Tais dados seriam importantes para provar que o fechamento do Megaupload foi um acordo entre a Casa Branca e estúdios cinematográficos para que as grandes empresas apoiassem a reeleição presidencial de Barack Obama, em 2012.

"Sabemos que há pessoas lá fora com informação. Estou disposto a pagar por isso. Estou determinado a lutar contra essa injustiça grave que foi feita a um negócio de armazenamento legítimo na nuvem, seus 220 empregados e até 100 milhões de usuários. Essa luta só começou e vai tomar tempo. Mas, no fim, seremos vitoriosos e vamos expor aqueles que abusaram do poder", conclui um esperançoso e otimista Dotcom. Até agora, ao menos publicamente, não há qualquer candidato.