Em janeiro deste ano, Leslie Benzies, que atuava como presidente da Rockstar North, deixou a empresa. Porém, o que era para ser algo tranquilo acabou se transformando em uma briga judicial, uma vez que ele está processando tanto a Rockstar (e seus fundadores, Sam e Dan Houser) quanto a Take-Two em US$ 150 milhões por conta de royalties que não foram pagos. 

Além disso, Christopher Bakes, advogado que representa o ex-funcionário da produtora, mencionou que a história contada pela empresa referente aos motivos que o levaram a deixar o estúdio (de que o executivo havia tirado “um período sabático e decidiu não retornar mais para o trabalho”) foi uma mentira, já que o que realmente aconteceu foi bem diferente. 

“Na verdade, quando tentou voltar às suas atividades após a conclusão do seu período sabático em 1º de abril de 2015, o senhor Benzies não conseguiu entrar no escritório da Rockstar North porque o seu dispositivo de acesso ao prédio tinha sido desabilitado. Após ter sua passagem liberada por um segurança, o senhor Benzies foi convidado pelo gerente do escritório da produtora a se retirar sem nenhum motivo”, explicou Bakes.

Após sua passagem pela Rockstar, Benzies deseja receber royalties que ainda não foram pagos

Além disso, o documento traz a informação de que o montante de US$ 150 mil a ser pago ao ex-funcionário da Rockstar North é baseado em “ações arbitrárias do Comitê de Alocação de royalties da companhia, que nunca se encontrou”, bem como pelo envolvimento dos membros da família Houser em assuntos de natureza pessoal. 

Problemas e mais problemas 

Somado ao que foi supracitado, a ação também informa que a Another Game Company [AGC], fundada em 2009 por ele e pelos irmãos Houser, não tinha como intuito realizar a distribuição de royalties entre o trio, pois os planos iniciais eram outros. 

“A AGC foi criada pelos Rockstar Principals para permitir que eles pudessem deixar a Teke-Two, e coletivamente lançar uma nova companhia independente com economia favorável e direitos autorais sobre propriedades decorrentes em grande parte da Take-Two e da Rockstar. Os Rockstar Principals poderiam aproveitar coletivamente o uso livre de royalties e certas propriedades intelectuais das duas empresas, com financiamento vindo do plano de royalties”, menciona o documento. 

Outro detalhe encontrado na ação é que, durante o período sabático de Benzies, o plano de royalties que os três fecharam com a Take-Two já havia pago US$ 93 milhões aos Housers, com até US$ 523 milhões que ainda não haviam sido contabilizados.

Grand Theft Auto V foi um dos últimos games que levaram nos créditos nome do ex-funcionário da Rockstar North 

O outro lado da história 

Até aqui, temos apenas o lado de Benzies da história, mas o que a Rockstar e a Take-Two dizem sobre o assunto? Nas palavras delas, “houve uma tentativa sem sucesso de tentar resolver esse problema por meio de mediação”, e agora estão em busca de um esclarecimento judicial para finalizar o assunto. 

As companhias também explicam que o fato de Benzies ter deixado a empresa sem um motivo justo faz com que ele não esteja apto a receber quaisquer royalties a partir daquele momento. Também foi mencionado que esse cenário seria diferente caso ele tivesse sido demitido ou entrado em algum programa de demissão voluntária. 

Por fim, foi dito ainda que, além de esclarecimentos judiciais, as empresas estão em busca de compensação por danos. O montante a ser repassado pelo ex-funcionário será definido durante o julgamento.

Qual foi a demissão (ou saída) de uma empresa de jogos que mais o surpreendeu? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: