Cabos submarinos são basicamente a estrutura que torna a internet verdadeiramente global. Eles conectam redes terrestres de países e continentes distantes uns dos outros e possibilitam que uma rede internacional tome forma. Só por isso você consegue acessar sites hospedados na Alemanha, na Romênia, na China e por aí vai.

Claro que o Brasil não precisa ter conexões diretas com todos esses países, já que a rede é descentralizada e pode funcionar através de várias rotas. Dessa forma, quanto mais rotas nosso país possuir, mais rápido conseguimos acessar o conteúdo de outras regiões. Por isso, é interessante você conferir o Subamarine Cable Map.

Essa aplicação online traz o mapa do mundo e destaca todos os cabos submarinos que fazem parte da internet e também os que vão fazer. Você pode clicar na rota dos cabos em si ou mesmo nas cidades que recebem a conexão deles.

É possível verificar informações técnicas de cada cabo, como o comprimento em km, empresas que administram a estrutura e também da data em que foram ativados. Há ainda os “Landing Points”, que são as cidades conectadas pelo cabo.

É interessante notar que o Brasil concentra boa parte dos novos cabos, em construção ou em planejamento na região do Oceano Atlântico. A maior parte deles conectará nosso país à América do Norte, mas há um que sairá de Fortaleza direto para Portugal e Espanha. Ele será feito pela Telebras e pela IslaLink e terá 10,1 mil km de extensão.

Outro que merece ser mencionado é o cabo que sairá de Luanda, na Angola, e chegará à Fortaleza, no Ceará. Espera-se que ele fique pronto ainda no terceiro trimestre de 2018 e já está sendo instalado pela Angola Cables. Outro cabo saindo da capital cearense também chegará à África no ano que vem, mas o destino é Kribi, em Camarões.

Se você achou a ideia interessante, aproveite para acessar o serviço e entender melhor como o mundo está interligado.