Mistério galáctico: uma galáxia sem matéria escura?

2 min de leitura
Imagem de: Mistério galáctico: uma galáxia sem matéria escura?
Imagem: NASA, ESA, Z. Shen and P. van Dokkum (Yale University), and S. Danieli (Institute for Advanced Study)
Avatar do autor

Por que se importar com uma galáxia que não tem matéria escura?

Para começar, vamos entender o que é a matéria escura. Matéria escura é um tipo de matéria que interage gravitacionalmente, mas não interage eletromagneticamente. É uma matéria que não interage com fótons, uma matéria invisível que afeta o movimento de objetos não invisíveis.

Essa interação com objetos visíveis (estrelas, galáxias, gás, entre outros) é o que possibilita inferir sua presença. Falando assim parece até um pouco de ficção científica, mas a existência de matéria escura é muito bem debatida e amplamente aceita pela comunidade científica. Isso porque temos cerca de 5x mais matéria escura que matéria bariônica compondo quase tudo que vemos.

Simulação de matéria escura no Universo. Em tons de preto e cinza temos a densidade de matéria escura (mais escuro = mais denso) e em laranja tempo a representação de pontos de matéria bariônica, como galáxias e aglomerados de galáxias.Simulação de matéria escura no Universo. Em tons de preto e cinza temos a densidade de matéria escura (mais escuro = mais denso) e em laranja temos a representação de pontos de matéria bariônica, como galáxias e aglomerados de galáxias.Fonte:  apod 

A presença da matéria escura é fundamental para a compreensão da formação de galáxias. De forma simplificada, no início do Universo, a matéria escura se aglomerou. Depois a matéria bariônica (“normal” = gás e estrelas) caiu nessas regiões, conhecidas como poços gravitacionais, colapsando e formando galáxias no decorrer de bilhões de anos.

Agora, além disso, a massa dessas galáxias que se formaram é na verdade dominada pela matéria escura. Entende-se hoje que as galáxias estão na verdade no centro de grandes esferas desse material invisível, ou seja, o que vemos é somente cerca de 10-20% da massa real desses objetos. E isso era considerado uma regra, até agora.

Concepção artística de uma galáxia (em branco) no centro do halo de matéria escura (em preto)Concepção artística de uma galáxia (em branco) no centro do halo de matéria escura (em preto).Fonte:  IF-UFRGS 

Em 2018, um grupo de cientistas de Yale alegou ter encontrado uma galáxia que não tem matéria escura. Uma afirmação dessa natureza, que ia de encontro a tudo que conhecemos, acendeu vários debates na comunidade científica.

Três anos depois, o grupo apresentou na semana passada mais evidências para essa descoberta. E, para somar, outros objetos desse tipo estão sendo encontrados. Como tudo que é fascinante na ciência, essa descoberta levanta mais perguntas que respostas:

  • "Como esses objetos podem ter se formado sem matéria escura?"
  • "Eles de fato se formaram sem ou perderam?"
  • "Eles eram parte de um objeto maior e se desprenderam?"

No momento temos mais perguntas que respostas. O que sabemos é que ambas as galáxias ditas sem matéria escura (DF2 e DF4) são pequenas e com pouca luz.

Apesar disso, esses novos objetos não contradizem a existência de matéria escura. Na verdade, como afirma van Dokkum, isso evidencia ainda mais a existência de matéria escura em outras galáxias. Principalmente porque agora estaríamos conhecendo objetos sem matéria escura e será possível compará-los com outras galáxias, avançando ainda mais no entendimento das estruturas no Universo.

Essa descoberta é a lembrança que o Universo continua e vai continuar nos surpreendendo!