'Inglês' ou matemática? Como o cérebro entende códigos computacionais?

3 min de leitura
Imagem de: 'Inglês' ou matemática? Como o cérebro entende códigos computacionais?
Imagem: Unsplash
Avatar do autor

Em 2016, a Gallup Poll, empresa de pesquisa de opinião dos Estados Unidos, se propôs a entender quais eram as expectativas das escolas do país norte-americano quanto ao ensino de ciência da computação a seus alunos. A partir de uma enquete, revelou que 66% dos diretores de instituições de anos fundamentais desejavam incorporar aos currículos matérias relacionadas à área.

Mesmo com um interesse tão expressivo, esclarecimentos quanto à abordagem mais eficaz de estruturação de aulas são necessários. Por exemplo, onde é que os códigos se encaixam, em linguística ou matemática?

Para desvendarem o mistério, neurocientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) decidiram analisar como o cérebro humano se comporta enquanto voluntários liam códigos, partindo da premissa de que, atualmente, há duas correntes de pensamento.

A que prevalece é a que afirma que codificação se trata de um tipo de linguagem, com regras gramaticais e sintáticas próprias que devem ser seguidas. Por exemplo, no Texas, em Oklahoma e na Geórgia (todos nos EUA), estudantes podem se valer de ciência de computação para completarem cargas horárias exigidas de línguas estrangeiras.

Por sua vez, a segunda defende a presença da matéria no campo dos números, pois fórmulas e algoritmos encabeçariam a geração de resultados a partir da inserção de informações.

Pela recente presença de tais conteúdos na humanidade, não houve tempo suficiente para que o cérebro tenha desenvolvido uma região especialmente dedicada a lidar com eles. Sendo assim, certamente "empresta" habilidades já utilizadas na execução de outras tarefas. A questão é: de quais delas o órgão se aproveita? Os responsáveis pela pesquisa respondem.

"A capacidade de interpretar um código de computador é uma habilidade cognitiva notável que tem paralelos com diversos domínios cognitivos, incluindo funções executivas gerais, matemática, lógica e linguagem."

Ou seja, nesta configuração inédita, o cérebro seleciona capacidades consolidadas e as mistura para encontrar soluções – algo relativamente novo e que tende a se tornar cada vez mais comum.

Onde é que códigos computacionais se encaixam em currículos escolares?Onde é que códigos computacionais se encaixam em currículos escolares?Fonte:  Unsplash 

"O que você quer fazer esta noite?"

Submetidos à técnica de ressonância magnética funcional, pessoas proficientes em codificação, durante o experimento, se depararam com problemas e deviam fornecer soluções. Enquanto isso, os cientistas acompanharam de perto as atividades cerebrais das "cobaias". Conhecidas por sua legibilidade, as linguagens Python e ScratchJr foram selecionadas para os testes.

Em uma das propostas, escrita em Python ou em frase "normal", a partir de informações a respeito de altura e peso, a exigência era a de cálculo de índice de massa corpórea (IMC). Na outra, em ScratchJr, rastreio da posição de um gato enquanto ele caminhava e pulava.

Antes, a memorização de uma sequência de quadrados em uma grade e a leitura de uma frase normal e uma sem sentido "aqueceram os motores", tudo para ativar o sistema de demanda múltipla dos participantes (geralmente ativado por tarefas cognitivas complexas, como a resolução de cálculos matemáticos) e o de linguagem, respectivamente.

Então, a surpresa: a compreensão dos códigos foi possibilitada principalmente pela rede de demanda múltipla, o que não ocorreu durante a procura pela resposta dos problemas. O cérebro não aborda códigos como linguagem ou lógica. Parece ser uma coisa própria.

Cérebro reage de maneira inesperada ao enfrentar problemas computacionais.Cérebro reage de maneira inesperada ao enfrentar problemas computacionais.Fonte:  Unsplash 

"A mesma coisa que fazemos todas as noites, Pink..."

Uma das suposições para a "preguiça" do sistema de linguagem do cérebro, apontam os neurocientistas, é a ausência da ativação de fala ou audição nos processos, o que dispensa suas ações mesmo com todas as similaridades de códigos com linguagens naturais.

Além disso, a rede de demanda múltipla, aproximadamente dividida entre esquerda (lógica) e direita (pensamento abstrato) do órgão, se comportou de maneiras diferentes dependendo do caso: a leitura do código Python parece ativar ambos os lados, enquanto ScratchJr "ligou" o lado direito um pouco mais do que o esquerdo.

Por fim, um experimento realizado por pesquisadores japoneses no ano passado mostrou que a atividade nas regiões do cérebro associadas a processamento da linguagem natural, recuperação da memória episódica e controle da atenção também se fortaleceu com o nível de habilidade do programador – sugerindo que, apesar de, aparentemente, linguagens de código se distinguirem das naturais, começar a aprendê-las cedo potencializa o desenvolvimento de capacidades.

Considerando que há expectativas de que a nova geração mundial de profissionais de ciência da computação pule de 23,9 milhões em 2019 para 28,7 milhões em 2024, segundo a Statista, empresa alemã especializada em dados de mercado e consumidores, é bom que aqueles que queiram acompanhar o movimento comecem a se mexer desde já.

Conquistar o mundo, como mostram alguns desenhos, não é simples – mas que o cérebro tenta dar um jeito, bem, isso sim.

'Inglês' ou matemática? Como o cérebro entende códigos computacionais?