Vacina da Pfizer é tão forte que pode evitar transmissão da covid-19

1 min de leitura
Imagem de: Vacina da Pfizer é tão forte que pode evitar transmissão da covid-19
Imagem: Rawpixel
Avatar do autor

Além de prevenir os casos mais graves de covid-19 com grande eficácia, a vacina da Pfizer pode induzir uma resposta imune forte o suficiente para não apenas evitar que os vacinados contraiam a doença, mas também pode impedir que as pessoas vacinadas transmitam o novo coronavírus para outros indivíduos. É o que revela uma pesquisa divulgada nessa segunda-feira (18).

O estudo, conduzido por pesquisadores do Sheba Medical Center de Israel, analisou a resposta imunológica de 102 pessoas tratadas com a vacina da farmacêutica americana. Deste total, 100 pacientes desenvolveram até 20 vezes mais anticorpos em uma semana após a segunda dose do que as pessoas recuperadas de casos graves de covid-19.

Em relação às duas pessoas que não apresentaram anticorpos, uma delas é imunocomprometida, ou seja, tem os mecanismos de defesa contra infecções enfraquecidos. Quanto à outra, a instituição ainda está investigando o motivo de ela não ter obtido a proteção.

Vacinas altamente eficientes podem "treinar" o organismo para destruir o coronavírus ao primeiro contato, conforme a pesquisa.Vacinas altamente eficientes podem "treinar" o organismo para destruir o coronavírus ao primeiro contato, conforme a pesquisa.Fonte:  Rawpixel 

Os pesquisadores acreditam que as quantidades mais elevadas de anticorpos impeçam o vírus de infectar as células e se replicar o suficiente para contaminar as pessoas vacinadas, prevenindo assim a transmissão dele.

Pesquisa pioneira

Até o momento, os cientistas apostavam apenas na prevenção dos quadros mais graves e na redução do número de mortes, pois não sabiam se as vacinas eram capazes de parar a transmissão do Sars-CoV-2. Nem mesmo a Pfizer ou as demais fabricantes divulgaram dados apresentando como seus imunizantes afetam a propagação da doença.

Conforme a diretora da unidade de epidemiologia do Sheba Medical Center Gili Regev-Yochay, líder do estudo, os resultados estão alinhados com a experiência da farmacêutica e são “ainda melhores do que o esperado”.

Apesar do otimismo da cientista, são necessários estudos adicionais para confirmar que as pessoas imunizadas com a vacina da Pfizer não espalharão o coronavírus, segundo o The Jerusalem Post. Os pesquisadores também querem saber quanto tempo dura essa imunidade.