Penhasco revela que Marte teve rios e chuvas abundantes

2 min de leitura
Imagem de: Penhasco revela que Marte teve rios e chuvas abundantes
Imagem: Agência Espacial Europeia/Divulgação
Avatar do autor

Há 3,5 bilhões de anos, a vida emergia dos oceanos terrestres e, talvez, em Marte, igualmente coberto de água. Hoje, o planeta está seco, mas permaneceram evidências de rios e, agora, do ciclo da água que os alimentou. Essa é a conclusão do trabalho de uma equipe internacional de cientistas a partir dos dados enviados pela sonda Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) da NASA.

Imagens obtidas pela câmera High Resolution Imaging Science Experiment (ou HiRISE) conseguiram capturar detalhes da orla da Hellas Planitia (uma das maiores crateras de impacto do sistema solar, com 2.300 km de diâmetro e profundidade de 9km), em especial de um penhasco rochoso, com cerca de 200 metros de altura.

Ali, é possível distinguir camadas de sedimentos acumulados ao longo do tempo, contando a história de rios que percorreram seu caminho por pelo menos cem mil anos, arrastando detritos e formando os depósitos agora encontrados.

Pouco para a imaginação

Segundo os pesquisadores, esse penhasco em particular ergue-se em um ângulo perfeito, o que possibilitou que o orbital fotografasse, em detalhes, os padrões de empilhamento nos depósitos rochosos criados pela ação de rios antigos – o que serviu de base para a criação de modelos em 3D.

"Esses rochedos nos permitem visualizar rios que mudavam de curso, criando bancos de areia – exatamente como os do nosso planeta. As semelhanças impressionantes com as rochas sedimentares na Terra deixam muito pouco para a imaginação", disse um dos autores do estudo, o geólogo da Universidade de Utrecht Francesco Salese.

As faces do penhasco preservam rastros de rios ativos há 3,7 bilhões de anos.As faces do penhasco preservam rastros de rios ativos há 3,7 bilhões de anos.Fonte:  NASA/JPL-Caltech/UoA/Matt Balme 

Rochas sedimentares registram eras

Como acontece na Terra, rochas sedimentares são formadas pelo depósito, ao longo das eras geológicas, de detritos. Seu acúmulo registra a história da região em sucessivas camadas.

“Os rios levaram muito tempo para formar essas rochas, como evidenciado por uma infinidade de bancos de areia criados a partir de voçorocas. Não foi um evento único – esses cursos d’água permaneceram ativos entre dezenas a centenas de milhares de anos", explicou o geólogo planetário e coautor do estudo Joel Davis.

Pelas imagens captadas foi possível determinar que os canais desses antigos rios marcianos tinham cerca de três metros de profundidade.

O penhasco, pelas lentes do HiRISE.O penhasco, pelas lentes do HiRISE.Fonte:  Nature/NASA/Divulgação 

Chuvas abundantes e, talvez, vida

“É claro que essas rochas registram apenas uma fração do tempo pelo qual a água moveu e depositou sedimentos. A erosão é uma força poderosa e pode apagar camadas da história nas rochas. Marte abriga um registro de rochas sedimentares que se estende ainda mais no tempo do que o nosso", disse outro autor do estudo, o também geólogo da Universidade de Utrecht William McMahon.

O estudo de como o sedimento foi depositado nas diversas camadas levou os pesquisadores a afirmar que Marte experimentou o mesmo ciclo da água terrestre – ou seja, os rios eram alimentados pela chuva.

"Para formar depósitos de 200 metros de espessura, esses rios de fluxo constante exigiriam um ambiente capaz de manter volumes significativos de água líquida por longos períodos de tempo, com um ciclo hidrológico causado pela precipitação. Uma paisagem aquática de vida longa é crucial em nossa busca por indícios de vida no planeta", disse Salese.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Penhasco revela que Marte teve rios e chuvas abundantes