O TecMundo já noticiou que há mais gente morrendo por causa de selfies do que por ataques de tubarão — e fica cada vez mais fácil acreditar nesse dado. A necessidade de tirar um retrato em um lugar perigoso ou registrar uma atividade radical tem levado especialmente jovens a fazerem loucuras cada vez mais inacreditáveis.

Falar da morte de pessoas nunca é algo bom, mas certos acidentes devem ser conhecidos e publicizados para que um alerta seja feito à sociedade. É por isso que listamos os cinco casos a seguir e no vídeo acima: eles mostram pessoas que perderam a vida em 2015 enquanto buscavam a selfie perfeita, sendo exemplos do que não fazer quando você estiver com um celular na mão.

Com arma

Esse não tem nada a ver com tirar selfie em lugar perigoso. O jovem norte-americano Deleon Alonso Smith morreu ao atirar acidentalmente contra si mesmo na garganta enquanto posava para selfies "ostentação" com uma arma. Um primo do rapaz estava junto na hora no acidente. Ele contou que os dois acharam uma pistola na rua, a levaram para casa e ficaram posando com ela na mão. A polícia concluiu que o disparo foi acidental e os jovens provavelmente não sabiam que a arma estava carregada.

Em cima do trem

A romena Anna Ursu, de 18 anos, morreu eletrocutada na Romênia enquanto tentava tirar uma selfie em cima de um vagão de trem. Ela entrou em contato com um fio elétrico de mais de 27 mil volts e não resistiu às queimaduras. Um rapaz que estava junto com ela foi arremessado para longe pela explosão, mas sobreviveu. Em depoimento, ele disse que a amiga era viciada em selfies e buscava tirar a foto definitiva para colocar no Facebook.

Nas alturas

Tragédia anunciada ou um simples golpe de azar? O jovem russo Andrey Retrovsky ficou conhecido no Instagram por tirar fotos em locais perigosos e mostrar muita coragem. Só que a vida de Andrey terminou cedo demais justamente por causa desse hobby. O acidente fatal aconteceu quando uma corda que o prendia no teto de um prédio se rompeu e fez o rapaz despencar por nove andares. A foto acima não é a do momento do acidente, mas mostra como ele se arriscava.

Em um penhasco

O Natal não é época só de festas e felicidade. Em 2 de dezembro, o norte-americano Joshua Burwell visitava a reserva natural Sunset Cliffs, em San Diego, quando caiu de um penhasco e não resistiu aos ferimentos. Testemunhas afirmaram que ele estava distraído ao tirar fotografias com um dispositivo eletrônico nas mãos. Ele provavelmente estava muito próximo da beirada, já que parou no lugar para apreciar a vista e fazer alguns retratos.

Com granada

Essa situação é tão inacreditavelmente perigosa que é até difícil de acreditar. Foi na Rússia: dois amigos morreram em janeiro no monte Ural enquanto tiravam fotos de si mesmos segurando uma granada de mão sem o pino de segurança. O smartphone sobreviveu, e a imagem capturada com a foto sendo preparada e capturada ajudou a polícia a desvendar o que aconteceu. Essa foi uma das mortes que levou a Rússia a lançar uma campanha pedindo à população que não tirasse mais selfies em condições de risco.