O USS Enterprise, agora transformado em museu (Fonte da imagem: Reprodução/Reuters)

Quando se fala em energia nuclear, é inevitável que a princípio pensemos imediatamente em bombas atômicas ou em grandes catástrofes que marcaram a história da humanidade, como o Acidente Nuclear de Chernobyl (1986) ou o Acidente Nuclear de Fukushima (2011).

Sabemos que energia atômica não é uma das coisas mais agradáveis de se lidar. E se você é uma pessoa com o mínimo de amor à sua vida, com certeza não vai gostar de ficar perto de um reator nuclear quando este estiver passando por, digamos, problemas técnicos.

Os veículos listados a seguir, além de impressionarem pelo tamanho, também impressionam por contarem com um reator atômico em seus corações: afinal, nada melhor do que o tipo mais destrutivo e mortal de energia para mover toneladas de aço em terra, ar e água. Confira nossa seleção e responda: você teria coragem de entrar em um gigante desses?

1) USS Enterprise

Não, nós não estamos falando da espaçonave utilizada pelo capitão Kirk na famosa série televisiva Star Trek. O CVN-65 USS Enterprise foi o primeiro porta-aviões de propulsão nuclear inventado na história da humanidade, além de ser o maior barco militar em operação do mundo. Esta “criança” faz parte da frota da Marinha dos Estados Unidos e foi construída em 1961. Ele Possui 342,3 metros de comprimento e é movido por nada menos do que oito reatores nucleares (!).

O navio é movido por oito reatores nucleares (Fonte da imagem: Reprodução/CNN)

Curiosidade para os fãs de cinema: o USS Enterprise (que deverá ser desativado até 2015) faz uma pequena aparição no filme “Top Gun – Ases Indomáveis”, filme lançado em 1986 estrelado por Tom Cruise.

2) TES-3

Mesmo se o TES-3 (sigla para Transportable Eletric Station 3, ou Estação Elétrica Transportável 3) não tivesse alguma relação com energia atômica, ele ainda continuaria botando medo em muitos marmanjos por conta de seu tamanho. Trata-se de uma usina nuclear móvel projetada pela União Soviética em meados de 1950 para prover energia de emergência em qualquer lugar que fosse necessário.

O monstro possuía nove rodas e pesava cerca de 310 toneladas. Felizmente, o TES-3 nunca passou da fase de prototipagem.

O TES-3 felizmente nunca passou de um protótipo (Fonte da imagem: Reprodução/Stuttgartner Zeitung)

3) SNAP-10A

O SNAP-10A foi o primeiro (e felizmente o único) reator nuclear lançado na órbita de nosso planeta. Projetado pelos Estados Unidos, o SNAP-10A teoricamente deveria prover energia para grandes satélites por ao menos um ano; contudo, 43 dias após seu lançamento (que ocorreu em abril de 1965), o gerador simplesmente “quebrou” devido a seu regulador de voltagem de baixa qualidade.

Ok, agora vamos para a parte mais divertida: os restos do SNAP-10A continuam lá, dando voltas na órbita da Terra, e a previsão é que continuem assim por ao menos mais 4 mil anos. Uma coisa é certa: não será nada interessante quando esse monte de entulho nuclear resolver cair de vez em nosso amado planeta.

O SNAP-10A, o primeiro reator nuclear espacial (Fonte da imagem: Reprodução/RealityPod)

4) KOSMOS 954

Semelhante ao SNAP-10A, o KOSMOS 954 foi um satélite de observação projetado e enviado para a órbita pela União Soviética (sim, eles novamente) em 1977. O invento foi lançado com “apenas” 45,4 kg de urânio a bordo. Antes que você comece a pensar também como seria caso o KOSMOS 954 caísse na Terra, temos uma má (ou boa) notícia para você: isso já aconteceu.

Poucos dias após seu lançamento, o satélite começou fugir de seu curso por qualquer motivo nunca descoberto e ficou fora de controle. Boa parte do invento foi desintegrada durante a queda. A outra parte caiu em uma área de 124 km² no Canadá.

Pedaços dos KOSMOS 954 ainda são armazenados em museus (Fonte da imagem: Reprodução/Wikipedia Commons)

A operação para limpeza e recuperação dos restos do KOSMOS 954 (que ficou conhecida como Operação Luz da Manhã) coletou ao todo 12 fragmentos do satélite, sendo que apenas dois deles tinham níveis radioativos considerados acima do limite seguro — ainda bem!

5) Lenin

Quebra-gelos já são ameaçadores por si só: são navios (na maioria das vezes colossais) projetados especialmente para navegar em áreas completamente congeladas, já que sua proa é feita com um formato apropriado para, bem, quebrar o gelo.

O Lenin foi o primeiro navio dessa categoria totalmente movido à energia atômica. Trata-se de mais uma invenção dos russos, e, embora seu tamanho assuste, o veículo (lançado em 1957) já não está mais em atividade desde 1970. Recentemente, o Lenin foi transformado em um museu e pode ser visitado por qualquer pessoa que não tenha medo de pisar em um gigante navio com coração atômico.

Quebra-gelo Lenin, que recentemente foi transformado em um museu (Fonte da imagem: Reprodução/GlobalSecurity)

6) NS Taimyr

Mas oceanos congelados são diferentes de rios congelados: e a Rússia sabe bem disso. E é por esse motivo que, poucos anos depois de aposentar o Lenin, o NS Taimyr foi criado. A diferença é que o quebra-gelo projetado em 1989 especialmente para navegar por rios ainda está em operação até hoje, ao lado de seu irmão mais novo, Vaygach.

NS Taimyr (preto) e seu "irmão" Vaygach (vermelho) (Fonte da imagem: Reprodução/BlogMercante)

7) NS Savannah

Dessa vez, foi o governo dos Estados Unidos que decidiu aterrorizar o mar com um monstro atômico. O NS Savannah foi um navio de carga e de passeio (para passageiros sem medo da morte, obviamente) que operou entre 1959 até meados de 1972. Agora, ele se transformou em um museu na cidade de Baltimore.

Um fato curioso é que o NS Savannah custou nada menos do que US$ 47 milhões para ser construído; desse valor, US$ 28 milhões foram gastos apenas com o reator nuclear.

NS Savannah, atualmente transformado em museu (Fonte da imagem: Reprodução/Historic Naval Ships Association)

8) USS Nautilus

E, finalmente, o USS Nautilus. O submarino pertencente à Marinha dos Estados Unidos foi o primeiro a ter um reator nuclear proporcionando-lhe energia.

Primeiro submarino nuclear está em exposição em museu nos Estados Unidos (Fonte da imagem: Reprodução/Britannica)

Foi lançado em 1954 e teve um papel importantíssimo durante a Guerra Fria. Embora tenha sido desativado em 1979, o USS Nautilus ainda pode ser visto no U.S Navy Submarine Force Museum, um museu que concentra diversos veículos aquáticos que um dia pertenceram à Marinha americana e localiza-se em Groton, Massachusetts.

Cupons de desconto TecMundo: