A história do ENIAC, um dos pais dos computadores [vídeo]

7 min de leitura
Imagem de: A história do ENIAC, um dos pais dos computadores [vídeo]
Avatar do autor

A série de história da tecnologia dessa semana vai falar sobre um computador. Mas não é qualquer computador: é o ENIAC, um gigante que marcou época e ajudou a definir as bases da indústria que a gente conhece hoje.

Antes de saber a origem e que fim levou essa máquina, não se esqueça de se inscrever no canal do TecMundo no YouTube para mais conteúdos como esse e já aproveitar para dar um "joinha" no vídeo e tocar no ícone de sino para receber as notificações do canal. Confira ainda a playlist com todos os episódios anteriores do História da Tecnologia — mas só depois de assistir ao capítulo abaixo!

Uma viagem no tempo

Antes de começar, a gente precisa deixar bem claro. O ENIAC não é o primeiro computador da história. Ele é pioneiro na categoria de computador eletrônico digital de uso geral, ou seja, as operações eram programáveis e ele conseguia executar várias funções pra diferentes áreas.

Definir qual é o primeiro computador é complicado. Os princípios da computação moderna são obra de dois britânicos: Charles Babbage e Alan Turing. Babbage nasceu em 1791 e bolou a Máquina Analítica, um aparelho que faz cálculos se comandado pra isso. Ou seja, um computador. Uma das mentes desse projeto era ninguém menos que Ada Lovelace, a primeira programadora da história e uma das mulheres mais importantes da história da tecnologia.

Uma máquinaO "motor analítico" de Babbage.

Já o Turing é responsável por uma série de avanços teóricos e práticos, incluindo o Colossus, uma das primeiras máquinas de codificação de mensagens dos alemães na Segunda Guerra Mundial. Esse era um projeto totalmente secreto, mas veio antes do ENIAC.

Alan Turing.Alan Turing.

O Turing foi retratado no filme O jogo da Imitação, interpretado por Benedict Cumberbatch, mas essa evolução dos computadores é assunto pra outro vídeo.

Época de guerra

O fato é que estamos na metade da Segunda Guerra, e os Estados Unidos estão de cabeça no conflito. Só que a guerra tinha várias tecnologias estreando e os ataques não paravam, por isso cada disparo tinha que ser bem planejado.

Antes de lançar mísseis, era preciso calcular exatamente ponto de impacto e trajetória. E isso exigia respeitar uma enorme quantidade de variáveis, como pressão atmosférica, atrito e por aí vai. Uma pessoa conseguia fazer tudo isso? Até conseguia, mas levava dezenas de horas sem parar, e nesse tempo todas as variáveis já mudaram... e se duvidar até a batalha já acabou.

Duas pessoas.Mauchly e Eckert: os nomes por trás do ENIAC.

Por isso, o Laboratório de Pesquisa Balística do Exército dos Estados Unidos começou a procurar uma solução. Em 9 de maio de 1943, ela encontrou a resposta na parceria entre dois cientistas da Escola Moore de Engenharia Elétrica da Universidade da Pennsylvania. Seus nomes são John Mauchly e John Presper Eckert.

Um gigante adormecido

Nasceu aí a ideia do ENIAC, sigla pra Electronic Numerical Integrator and Calculator, ou Computador e Integrador Eletrônico Numérico. Ele começa a ser construído em junho de 1944 e não era nada simples.
Ele armazenava vinte números decimais de até dez dígitos e fazia operações matemáticas básicas, raiz quadrada e comparação de quantidades. Ao todo, eram 5 mil operações por segundo, e cálculos que levariam 30 horas e mobilizavam equipes inteiras eram feitos em 15 segundos.

Um computador.

O ENIAC era um colosso de 40 unidades de painéis, 17.468 tubos de vácuo, 1500 interruptores, consumia 150 kilowatts de energia e pesava cerca de 30 toneladas. Ele foi montado em forma de “U” em uma sala só pra ele, ocupando 167 m² e tendo 2,4 metros de altura. Ao todo, ele custou quase 7 milhões de dólares em valores atualizados.

Como dá pra imaginar, programar o ENIAC era uma tortura: eram várias sub-rotinas, cálculos quebrados entre os painéis e ter que mexer em cada um dos cabos do sistema elétrico e nas mesas de funções.

As únicas partes mecânicas eram um cartão com dados como input e um cartão perfurado como output, duas tecnologias da IBM.

A montagem do ENIAC só acaba no último trimestre de 45, depois do fim da guerra. Mas isso não significa que eles perderam o timing, já que a máquina não deixou de ser revolucionária. E um dos primeiros trabalhos do ENIAC na verdade não teve nada a ver com balística convencional. Ele foi usado pra testar um dos possíveis designs pra bomba termonuclear de hidrogênio, e provou que o modelo trabalhado pelo laboratório de Los Alamos não era o ideal.

Finalmente operando

Em 14 de fevereiro de 1946, o ENIAC é mostrado oficialmente ao público em uma festa, e uma trajetória de míssil foi calculada ao vivo e sem erros, mostrando que ele era um sucesso.

Já em novembro desse mesmo ano, ele é desmontado e enviado para a Aberdeen Proving Ground, em Maryland, uma instalação militar. Em agosto de 1947 e já com algumas atualizações realizadas, o computador volta a operar normalmente.

Um computador.

O começo na nova casa foi um pouco difícil. Lá ele começou a apresentar os primeiros defeitos mais graves e tinha uma difícil manutenção, especialmente pelo tamanho e a complexidade de funcionamento, mas logo a equipe se readaptou.

Na época da Guerra Fria, o ENIAC ainda era valioso pra corrida armamentista e avanços da ciência. Ele foi usado ao longo dos anos também pra balística, que era a sua especialidade, mas chegou a fazer cálculos em previsão do tempo, cálculos com energia a nível atômico, estudo de raios cósmicos, construção de túneis de vento e muito mais.

Ficando obsoleto

E ele começou a ficar pra trás em relação a outros computadores. Um deles é o Electronic Discrete Variable Automatic Computer, ou EDVAC, criado pela mesma dupla do ENIAC em 49 com a ajuda do lendário pesquisador John von Neumann. Já o ORDVAC, que era quase a mesma sigla, mas com Ordnance Discrete no começo, nasceu em 52 e foi o primeiro com um compilador. Ele foi criado na Proving Ground, também sob a supervisão de von Neumann. Os dois eram mais rápidos e mais baratos.

Um computador.O ORDVAC.

Nesse fim da vida, o ENIAC recebeu mais tubos de vácuo, novos circuitos e instruções pré-programadas das operações que eram mais comuns. Esse tipo de programa embutido na memória, que hoje é uma coisa óbvia dos nossos computadores e smartphones, só virou realidade em 1948, com a máquina experimental Manchester Baby.

Em 2 de outubro de 1955, o ENIAC era desligado pela última vez. Mas o legado que ele deixou é incomparável e dura até hoje.

Ele foi desmontado, e os painéis foram espalhados pra exibição por várias instituições, como a própria Universidade da Pensilvânia, o museu Nacional de História Americana, em Washington; o Museu da História do Computador, em Mountain View; e o Museu de Ciências de Londres.

O legado e a justiça

Em 1996, em comemoração ao quinquagésimo aniversário do ENIAC, a universidade onde esse gigante nasceu provou o quanto a tecnologia avançou em tão pouco tempo. Ela criou um simples processador de 20 MHz e 7 por 5 milímetros que tinha exatamente a mesma funcionalidade do computador que ocupava uma sala inteira.

Um processador.

Já em 1997, as matemáticas e programadoras que trabalharam na equipe do ENIAC e foram injustiçadas pela História finalmente ganharam reconhecimento.

Pessoas trabalhando.

Mulheres eram comuns nas iniciativas dos primeiros computadores, e no caso do ENIAC elas aprenderam a mexer na máquina por conta própria e melhoraram ela com o tempo. Apesar do trabalho duro e até de terem calculado o teste exibido publicamente, não foram convidadas para a festa de lançamento em 46, e nem eram identificadas nas fotos até décadas depois. As programadoras Frances Bilas, Jean Jennings, Ruth Lichterman, Kathleen McNulty, Betty Snyder e Marlyn Wescoff merecem todos os méritos por ajudarem a construir essa história.

Mas ele foi o primeiro?

E outros computadores competem pelo título de primeiro eletrônico e digital. O ABC, ou Atanasoff-Berry Computer, é de 1942 e a justiça dos Estados Unidos concluiu que o ENIAC era um derivado dele, só que melhorado por ser programável e passar nas regras de computadores da completude de Turing.

Um computador.

O Colossus fica pra trás por não ser geral, só decodificava mensagens criptografadas.

Um computador.

Já o alemão Z3 foi criado pelo cientista Konrad Zuse, era programável e eletrônico, mas durou menos de dois anos, pois foi destruído em 43 por um bombardeio em Berlim. Ele funcionava em um sistema binário e não chegou a ter o potencial completo utilizado, já que o governo alemão não ajudou a financiar o projeto.

Um computador.

O ENIAC foi então o mais durável dessa turma, foi usado não só pra fins não militares, e no fim também recebeu mais atenção. Mas isso não tira todo o mérito dessa máquina gigante e tão importante pra gente evoluir e chegar nos computadores de hoje.

...

Essa é a história do ENIAC, um dos pais dos computadores. Ele é uma máquina que hoje seria impossível de pensar em usar, é verdade. Porém,  assim como muitas outras tecnologias que surgiram no meio militar, ajudou a moldar o mundo de hoje. Se você tiver uma sugestão de uma empresa, produto ou serviço para virar tema no História da Tecnologia, é só deixar uma sugestão nos comentários. Até a próxima!

Comentários

Conteúdo disponível somente online
A história do ENIAC, um dos pais dos computadores [vídeo]