Samsung publicou seu relatório financeiro do segundo trimestre deste ano e confirmou o que muitos acionistas da empresa sul-coreana esperavam: a longa sequência de lucros recordes parece ter chegado ao fim. A companhia teve um lucro operacional de US$ 13,3 bilhões com uma queda de 4% na arrecadação em relação ao mesmo período no ano passado.

Existem várias justificativas para a baixa nas receitas, uma delas sendo a “lentidão nas vendas” do Galaxy S9, como explica o relatório. Também houve pouca demanda para painéis OLED flexíveis e painéis LCD, o que afetou o negócio de visores da empresa. Os lucros também foram prejudicados pelo fato do won, a moeda sul-coreana, ter perdido valor em relação ao dólar.

Um celular.

A perspectiva não é muito animadora para a divisão responsável pelos smartphones Galaxy. No relatório, a Samsung admite que o próximo trimestre também deve ser desafiador, com a empresa enfrentando a concorrência de outras grandes fabricantes ao longo do ano. Como resposta aos problemas, ela cita o lançamento antecipado do próximo Galaxy Note — que acontece na próxima semana — e o investimento em modelos intermediários e de entrada com novas funcionalidades.

Outras áreas da Samsung continuam indo bem, como a divisão responsável pelas TVs, que deve continuar crescendo com a chegadas de novos modelos utilizando a tecnologia QLED e resolução 8K. Também há a expectativa de novos negócios em potencial para a produção de componentes nas áreas de Internet das Coisasinteligência artificial e 5G.