A Samsung pode ser mais conhecida por seus smartphones e televisores, mas a sul-coreana é gigante também em outros ramos, como na fabricação de telas e de semicondutores. A soma de tudo isso se transformou em um novo recorde de lucro segundo os relatórios primários do primeiro trimestre de 2018.

Segundo a empresa, foram US$ 56 bilhões em receita e US$ 14,7 bilhões em lucro apenas nos três primeiros meses deste ano. A Reuters indica que, se o grosso desse volume de dinheiro veio dos semicondutores, analistas apontam que os portáteis também podem ter contribuído de forma relevante para alcançar a nova marca.

Tanto o lançamento do Galaxy S9 quanto as boas vendas de modelos anteriores têm parte nisso, especialmente porque as vendas da Apple costumam cair nesse período. “Penso que os custos menores de marketing para os negócios mobile ajudaram, porque o primeiro trimestre tradicionalmente não é uma temporada empolgante para a rival Apple, então, a Samsung não precisou gastar muito em marketing”, sugeriu Claire Kim, analista da Daishin Securities.

Sobe e desce

Bons resultados costumam contribuir para empolgar os investidores e elevar o preço de ações, certo? Nem sempre. A divulgação do desempenho acima das expectativas da Samsung no primeiro trimestre resultou em uma queda inicial de 2,7% nas ações da empresa.

A diminuição no valor das ações, porém, estabilizou em 0,7% após as perdas, mas não deixa de demonstrar desconfiança por parte dos investidores sobre uma possível redução do lucro da Samsung no mercado de chips no segundo trimestre.