Anemia: entenda o que é, causas e os sintomas da doença

3 min de leitura
Imagem de: Anemia: entenda o que é, causas e os sintomas da doença
Imagem: Pixabay/Vector8DIY/Reprodução

A anemia afeta mais de 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo, o que representa cerca de 30% da população total, segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS). A doença afeta principalmente mulheres em idade reprodutiva e crianças. A OMS estima que a anemia afeta 42% das crianças menores de 5 anos e 40% das mulheres grávidas.

Conheça o que é anemia, quais são as suas causas, sintomas, tratamento e prevenção.

O que é anemia?

(Fonte: Pix4free.org/Nick Youngson/Reprodução)(Fonte: Pix4free.org/Nick Youngson/Reprodução)Fonte:  Pix4free.org/Nick Youngson/Reprodução 

Os glóbulos vermelhos, ou hemácias, são células sanguíneas em forma de disco que transportam oxigênio para os órgãos e tecidos do seu corpo. A anemia acontece quando o número de glóbulos vermelhos saudáveis em seu corpo é muito baixo.

Cada parte do corpo precisa de um suprimento suficiente de oxigênio para funcionar de forma eficaz. Dessa forma, muitos dos sintomas da anemia, como fadiga e falta de ar, são causados pela diminuição do fornecimento de oxigênio aos órgãos e tecidos vitais do corpo.

As hemácias contêm uma proteína rica em ferro chamada hemoglobina. Essa proteína se liga ao oxigênio nos pulmões, permitindo que os glóbulos vermelhos o carreguem e o distribuam por todo o corpo. Por isso, a anemia é medida conforme a quantidade de hemoglobina no sangue.

Quais são as causas da anemia?

(Fonte: Pixabay/Vector8DIY/Reprodução)(Fonte: Pixabay/Vector8DIY/Reprodução)Fonte:  Pixabay/Vector8DIY/Reprodução 

Os glóbulos vermelhos são produzidos na medula óssea e têm uma vida útil média de 100 a 120 dias. Em média, a medula óssea produz 2 milhões de hemácias a cada segundo, enquanto aproximadamente o mesmo número é removido da circulação. Cerca de 1% dos glóbulos vermelhos são removidos da circulação e substituídos diariamente.

Qualquer processo que tenha um efeito negativo nesse equilíbrio entre a produção e a destruição de glóbulos vermelhos pode causar anemia. As causas da doença são geralmente divididas entre aquelas que diminuem a produção e aquelas que aumentam a perda de hemácias saudáveis.

Redução de produção de hemácias

A diminuição da produção de glóbulos vermelhos pode ser causada por fatores relacionados ao DNA ou relacionados ao comportamento. As causas hereditárias que reduzem a produção de hemácias, como a Anemia de Fanconi ou Síndrome de Blackfan-Diamond, são muito raras.

Já os fatores comportamentais são inúmeros, sendo o mais comum a ingestão insuficiente de nutrientes como ferro e vitamina B12 que são matéria-prima para a fabricação de glóbulos vermelhos.

A menor produção também pode ser causada por patologias como doenças renais, tumores e alguns tipos de câncer (leucemia, linfoma e mieloma múltiplo), doenças autoimunes (lúpus e artrite reumatoide), hipotireoidismo e infecções como Síndrome da Imunodeficiência Humana (Aids) e tuberculose.

Além disso, alguns tratamentos, especialmente quimioterapia e radioterapia, e a exposição a toxinas — como chumbo — podem provocar uma menor produção de glóbulos vermelhos e, por consequência, a anemia.

Aumento de perda de hemácias

A maior perda de hemácias também pode ser causada por fatores adquiridos ou herdados. Entre os fatores adquiridos, estão a perda de sangue decorrente de acidentes, lesões, cirurgias, menstruação e até parto ou endometriose. As perdas podem ser causadas por decomposição precoce dos glóbulos vermelhos devido a fatores como atividades autoimune, infecções, exposição a toxinas e doenças hepáticas.

A causa hereditária mais comum é má formação das hemácias, conhecido como anemia falciforme, que é a patologia genética com maior incidência no mundo. Em alguns países africanos, a doença chega a ter uma incidência de 40% na população.

Como saber se uma pessoa está com anemia?

(Fonte: Pixabay/Viki_B/Reprodução)(Fonte: Pixabay/Viki_B/Reprodução)Fonte:  Pixabay/Viki_B/Reprodução 

Os sinais de anemia nem sempre são visíveis, pois o corpo é capaz de compensar a anemia precoce. Os sintomas da doença variam de acordo com o tipo de anemia, a causa subjacente, a gravidade e quaisquer problemas de saúde relacionados. Os sinais comuns a muitos tipos de anemia incluem:

  • fadiga fácil e perda de energia;
  • batimentos cardíacos excepcionalmente rápidos, particularmente com exercícios;
  • falta de ar e dor de cabeça, principalmente ao praticar exercícios;
  • dificuldade de concentração;
  • tontura;
  • pele pálida;
  • cãibras nas pernas;
  • insônia.

Tratamento e prevenção

(Fonte: PxHere/Reprodução)(Fonte: PxHere/Reprodução)Fonte:  PxHere/Reprodução 

O tratamento e a prevenção da anemia variam de acordo com a causa da doença. As condições hereditárias não têm formas de prevenção e podem ser tratadas com medicamentos, transfusão de sangue e até transplante de medula.

No caso das condições adquiridas, uma dieta rica em ferro, vitamina C (que ajuda na absorção do ferro) e vitamina B12 é eficaz para tratar e prevenir a doença. O uso de suplementos pode ser indicado para acelerar a recuperação.

Anemia pode ser perigosa

A anemia se não for tratada por um longo período pode levar a complicações graves, como insuficiência cardíaca, fraqueza grave e baixa imunidade. Além disso, a doença não tratada pode provocar infecções frequentes, mau desenvolvimento do feto na gravidez, parto prematuro e bebês com baixo peso ao nascer. Por isso, nos primeiros sintomas da doença, um médico deve ser consultado para realizar o tratamento mais adequado.