Check-up #7: até onde vão as mentiras sobre vacinas?

2 min de leitura
Imagem de: Check-up #7: até onde vão as mentiras sobre vacinas?
Imagem: rafa jodar/Shutterstock
Avatar do autor

Equipe TecMundo

@tec_mundo

Aos domingos, o TecMundo reúne algumas das principais notícias de saúde da semana em um só lugar.

O vírus

Notícias da pandemia

As vacinas não causam Aids

Na quinta-feira (21), o presidente Jair Bolsonaro leu em uma transmissão ao vivo textos com informações falsas que afirmavam que, no Reino Unido, pessoas vacinadas estariam desenvolvendo Aids, o que é mentira. Não há nenhuma relação estabelecida entre as vacinas contra a covid-19 e a Aids — explicamos melhor aqui.

O que se sabe, na verdade, é que portadores do vírus do HIV, que causa Aids, têm um sistema imune mais suscetível às doenças infecciosas e precisam receber todas as doses disponíveis no sistema de saúde para fortalecer sua imunidade. As vacinas fortalecem as nossas defesas, e não o contrário.

O presidente foi desmentido por especialistas, sociedades médicas e autoridades sanitárias. Os vídeos foram removidos do Facebook, Instagram e YouTube no início desta semana. Ainda assim, a saúde de milhões de brasileiros foi colocada em risco pela disseminação de uma mentira que pode fazer com que as pessoas rejeitem os imunizantes que têm se mostrado eficazes para acabar com a pandemia.

A prova disso é que cerca de 90% dos internados por covid neste ano no Brasil são pessoas que não completaram a vacinação, segundo um levantamento divulgado pelo Hospital Emílio Ribas, referência nacional no tratamento de doenças infecciosas.

Segundo analistas, o vídeo do presidente deve acender um alerta para as redes sociais e autoridades reguladoras da internet, que precisam zelar pelo bom uso dos canais digitais.

VacinaPessoa se prepara para receber vacina (créditos: Pordee_Aomboon/Shutterstock)

As vacinas para crianças

Na sexta-feira (29), a FDA (Food and Drug Administration), agência regulatória dos Estados Unidos, autorizou o uso do imunizante da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos de idade. A vacinação deve ter início alguns dias depois que o CDC (Centro para Controle e Prevenção de Doenças) confirmar a autorização.

De acordo com dados divulgados no dia 22 de outubro, a vacina da Pfizer apresentou alta eficácia para prevenir covid sintomática em crianças. A empresa disse que deve pedir a autorização para uso do imunizante em crianças no Brasil ainda no mês de novembro.

Enquanto isso, aqui no Brasil...

No mesmo dia em que os Estados Unidos aprovaram as vacinas para os mais novos, A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que os cinco diretores da agência receberam ameaças de morte caso aconteça a mesma aprovação por aqui. A intimidação foi feita por email.

Anticoncepcional baseado em ultrassom

Uma designer alemã desenvolveu um dispositivo que usa ultrassom para "banhar" os testículos e inviabilizar os espermatozoides.  O invento acaba de ganhar o prêmio de design James Dyson Awards, conhecido mundialmente por incentivar estudantes a “projetar algo que resolva algum problema.”

Contra a 'supercandidíase'

FungoIlustração mostra o fungo Candida auris, um dos causadores da candidíase (créditos: Juan Gaertner/Shutterstock)

Uma pesquisa conseguiu identificar os genes que levam à resistência no tratamento da candidíase, doença causada por fungos que frequentemente atinge os órgãos genitais. A preocupação com relação à candidíase resistente aos tratamentos disponíveis é crescente no mundo todo, e a pesquisa pode ajudar a desenvolver novos tratamentos e abordagens para combater o fungo.