Galileu Galilei: conheça as descobertas, teorias e biografia

4 min de leitura
Imagem de: Galileu Galilei: conheça as descobertas, teorias e biografia
Imagem: Wikipedia
Avatar do autor

Galileu Galilei é considerado um dos grandes nomes da ciência. Sua contribuição ultrapassa os limites da astronomia, área em que foi responsável por diversos avanços, tendo estudado também engenharia, física e matemática. Ele foi precursor em diversas áreas de pesquisa, além de ter inventado uma série de ferramentas que possibilitaram o avanço da ciência.

No final de sua vida, foi condenado por heresia pela Igreja Católica, tendo de viver em prisão domiciliar até a sua morte, em 8 de janeiro de 1642. Mas quais foram as suas principais descobertas e teorias? Abaixo, apresentamos a biografia desse importante cientista, que continua inspirando inúmeras pessoas até hoje.

Origem

Galileu nasceu em 15 de fevereiro de 1564 na cidade de Pisa, na época localizada no Ducado de Florença (hoje corresponde à região da Toscana, Itália). Ironicamente, antes de decidir se envolver com o mundo científico, o jovem Galileu chegou a considerar o sacerdócio. A ideia, que não agradou seu pai, acabou quando ele começou a estudar medicina na Universidade de Pisa em 1580. Foi durante o curso que ele começou a se interessar por outras ciências, como a matemática, e optou por mudar de área, chegando a ser nomeado para a cátedra de matemática em Pisa em 1589.

Telescópio e astronomia

Um dos modelos de telescópio desenvolvido por Galileu.Um dos modelos de telescópio desenvolvido por Galileu.Fonte:  Wikipedia 

Embora seja difícil afirmar qual foi a mais importante contribuição de Galileu para a ciência, é inegável que uma das que mais permitiram a evolução do conhecimento científico foi a invenção do seu próprio telescópio. Ele partiu de um modelo mais simples — criado pelo inventor holandês Hans Lippershey — adicionando tubos e lentes, que o deixavam cerca de três vezes mais poderoso.

Ele continuou aperfeiçoando o instrumento entre 1609 e 1610, o que permitiu fazer estudos mais detalhados dos astros. Em observações realizadas entre os dias 7 e 10 de janeiro, Galileu percebeu a existência de três corpos ao redor de Júpiter. Inicialmente acreditou que fossem estrelas, mas com o tempo percebeu que se tratava de luas que orbitavam o gigante do Sistema Solar. No dia 13 de janeiro, Galileu descobriu uma quarta lua. Hoje, elas são conhecidas pelos nomes de Io, Europa, Ganymede e Callisto, os “satélites de Galileu”. Mas o detalhe mais interessante é que foram os primeiros astros a orbitar outros corpos  — que não a Terra ou o Sol — descobertos pela humanidade.

Seus estudos sobre astronomia também envolvem observações a olho nu e com o auxílio de telescópios das manchas solares. Ele também fez importantes anotações sobre Vênus, Saturno e Netuno. Este último ele chegou a classificar como estrela escura não observável, e sobre a Via Láctea, tendo percebido não se tratar de uma nebulosa, como se acreditava na época, mas de um conjunto extremamente volumoso de estrelas muito densas.

Física

A partir de uma série de observações, Galileu percebeu que dois corpos, quando soltos de uma mesma altura em um ambiente em que a resistência do ar seja insignificante ou nula, chegariam ao solo ao mesmo tempo, mesmo que apresentassem massas diferentes. Uma versão de como ele chegou a essa conclusão envolve um experimento que teria sido feito do alto da torre inclinada de Pisa, porém não há qualquer menção a isso nas anotações de Galileu.

O experimento foi realizado na Lua em 1971 pelo astronauta David Scott, durante a missão Apollo 15. No experimento feito na Lua, o astronauta soltou uma pena e um martelo de uma mesma altura e ao mesmo tempo: os dois objetos chegaram praticamente juntos ao solo lunar. Isso só é possível porque a atmosfera da Lua é muitas vezes menos densa que a da Terra, e a resistência do ar é praticamente inexistente no satélite. Assim, foi possível ver, mais uma vez, a comprovação da teoria proposta por Galileu mais de três séculos antes.

Problemas com a Igreja Católica

Galileu de frente para a Inquisição Romana, pintura de Cristiano Banti (1857).Galileu de frente para a Inquisição Romana, pintura de Cristiano Banti (1857).Fonte:  Wikipedia 

O primeiro conflito de Galileu com a Igreja Católica aconteceu em 1619, quando ele teve algumas discordâncias com o padre e professor de matemática Orazio Grassi sobre os cometas. Após Grassi ter publicado um estudo, que considerava a teoria geocêntrica (a Terra como o centro do universo), Galileu publicou o ensaio Il Saggiatore, que questionava as ideias do padre.

Embora hoje seja bastante conhecida a disputa entre Galileu e o Vaticano, o cientista era católico e não tinha interesse em confrontar a sua própria religião. Apesar disso, alguns de seus estudos começaram a incomodar alguns membros da Igreja Católica, que defendiam a teoria geocêntrica. De acordo com estudos que Galileu começou a publicar a partir de 1910, começou a ficar claro que ele se opunha a essa maneira de compreender o universo. Para ele, uma teoria heliocêntrica (a Terra e os outros planetas do Sistema Solar, girando ao redor do Sol) faria mais sentido com o que era observado e poderia explicar melhor alguns movimentos astronômicos.

Todo o processo de investigação e condenação de Galileu levou cerca de 20 anos, com membros da Inquisição Romana avaliando os estudos, propondo alterações e limitando o alcance do cientista. Em 1633 ele foi condenado a prisão domiciliar, tendo cumprido a pena até 8 de janeiro de 1642, quando faleceu aos 77 anos. Em 1992, o papa João Paulo II admitiu o erro da Igreja Católica ao condenar Galileu e fez um pedido formal de perdão, reconhecendo as importantes contribuições feitas por ele à humanidade.