Vacina genética: técnica pode acelerar imunização contra covid-19

1 min de leitura
Imagem de: Vacina genética: técnica pode acelerar imunização contra covid-19
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

Na última segunda-feira (9), a Pfizer e a BioNTech anunciaram que a vacina produzida por elas apresentou mais de 90% de eficácia na prevenção à covid-19, se mostrando promissora. Essa notícia também chamou a atenção pelo uso de uma tecnologia inovadora na produção do imunizante.

A vacina genética, como a técnica é conhecida, não injeta no organismo um vírus ou pedaço dele, como acontece no modelo convencional: a proposta é fazer com que o próprio corpo produza a proteína do vírus. Para tanto, é necessário identificar qual parte do código genético viral carrega as instruções e adicioná-lo à imunização.

Depois da aplicação do RNA mensageiro no paciente, ele é absorvido pelas células, que começam a produzir as proteínas virais a partir das informações recebidas. Em seguida, essas proteínas passam a ser vistas como uma ameaça pelo organismo, alertando o sistema imune, que então inicia a produção de anticorpos para neutralizar um possível ataque real.

A vacina genética está sendo desenvolvida por várias farmacêuticas.A vacina genética está sendo desenvolvida por várias farmacêuticas.Fonte:  Pixabay 

Considerada um método revolucionário, de alto rendimento, barato e rápido, a vacina gênica não exige a manipulação do vírus em laboratório nem o uso de outros ingredientes, como o ovo de galinha, utilizado em algumas preparações. Basta criar e copiar a sequência genética desejada.

Vacina genética altera o DNA?

Como se trata de uma técnica nova, ainda há muitas dúvidas em relação a este método de produção da imunização contra covid-19. Diante disso, ela tem sido incluída em notícias falsas na internet, afirmando, por exemplo, que a vacina genética pode alterar o DNA.

A segurança dela ainda está em avaliação, mas conforme especialistas, não há qualquer risco de alteração do DNA. A substância injetada no organismo se mantém dentro das células e somente por algumas horas, não possuindo nenhuma capacidade de "interagir" com o nosso código genético. Além disso, ela também não traz riscos de desenvolver a doença.

A vacina não "interage" com o DNA humano.A vacina não "interage" com o DNA humano.Fonte:  Pixabay 

Vale ressaltar que 40 das 187 vacinas contra o novo coronavírus em desenvolvimento, atualmente, utilizam este método, das quais 10 estão em ensaios clínicos e duas na parte final da pesquisa.

Além da vacina da Pfizer, a outra do modelo gênico em estágio avançado de testes é a imunização da Moderna, aplicada em 30 mil voluntários nos Estados Unidos.

Vacina genética: técnica pode acelerar imunização contra covid-19