O que muda no consumo de serviços de streaming com o 5G?

4 min de leitura
Patrocinado
Imagem de: O que muda no consumo de serviços de streaming com o 5G?
Avatar do autor

A chegada do 5G no Brasil e em diversos outros países traz, além da nova tecnologia e diversas promessas, a indagação sobre o que será possível fazer a nível comercial quando o acesso à rede for liberado. A discussão geral sobre o 5G na medicina, agricultura e mobilidade urbana gera muitas esperanças, mas também há muitos questionamentos sobre como o entretenimento e o lazer irão mudar.

O 4G fez uma revolução quando tornou possível o acesso às redes de streaming, extremamente populares no mundo todo e ganhando cada vez mais espaço nas casas do público. Netflix, Prime Video, YouTube... Não faltam opções para todos os gostos.

Com o passar dos anos, a qualidade das produções aumenta cada vez mais e, atualmente, podemos nos deparar com filmes e séries com qualidade Full HD e 4K nos serviços de streaming. Contudo, a chegada da tecnologia 5G abre espaço para outra pergunta: já é possível ver filmes em full HD no transporte público?

Afinal, não é incomum se deparar com a cena de alguém assistindo à série favorita no ônibus ou no vagão do metrô quando está mexendo no celular. Porém, nem sempre a qualidade da transmissão é a melhor possível – e, muitas vezes, o player trava bastante.

Qual o consumo de dados dos serviços de streaming?

Motorla

A Netflix informa aos seus consumidores que é necessária uma conexão de banda larga de no mínimo 0,5 Mbps, apesar de recomendar uma acima de 1,5 Mbps. Já, para assistir aos conteúdos em qualidade padrão (SD), 3 Mbps; em alta definição (HD), 5 Mbps; e, para assistir a filmes e séries em 4K/Ultra HD (UHD), 25 Mbps. Não são valores exorbitantes se pensarmos em uma conexão por cabo ou até mesmo Wi-Fi.

Já no Prime Video, existem as categorias SD e HD. A primeira exige uma velocidade de download de, no mínimo, 900 Kbps. A segunda, 3,5 Mbps. Já o serviço de streaming HBO GO exige 3 Mbps para assistir aos conteúdos em SD, 5 Mbps para imagens HD e 25 Mbps para imagens definidas em 4K.

No YouTube, que, apesar de não ser um serviço de streaming, é a rede social de postagens de vídeos mais popular da internet para vídeos de qualidade mais baixa, como 144 p a 360 p, a velocidade da internet precisa ser de, ao menos, 600 Kbps. Para vídeos de média qualidade, entre 480 p e 720 p, entre 1 Mbps e 2 Mbps. Já para vídeos considerados Full HD – qualidade 1080 p ou mais – a conexão precisa ter no mínimo 5 Mbps.

Qual a velocidade de dados da internet 5G?

Na rede 3G, os celulares atingem velocidades próximas a 2 Mbps no pico. Já o 4G, em comparação, varia entre 3 Mbps e 5 Mbps. Contudo, a expectativa é que a média da velocidade de download do 5G seja de 20 Mbps, ou seja, muito mais do que o recomendado pela Netflix para assistir a uma produção em full HD.

Conforme os smartphones vão avançando e se tornando cada vez mais sofisticados, o conteúdo que é consumido neles também evolui. Hoje, por exemplo, um computador é dispensável para quem usa a internet apenas para mexer nas redes sociais e assistir a vídeos online. Até mesmo streams, que são o ponto alto do momento, tornaram-se viáveis de serem feitos diretamente do celular 5G, desde que haja uma conexão estável – algo prometido pelo 5G.

Expansão do 5G ao redor do mundo

Motorola

Ao redor do mundo, em países onde o 5G já está em funcionamento gradual, como China, Coreia do Sul e Suécia, os relatos são de que os downloads de filmes em alta resolução (full HD) demoram poucos segundos para serem finalizados. Além disso, outros recursos, como video chamadas, que se popularizaram ainda mais durante a quarentena, jamais travam. Tudo isso acontece graças à internet 5G.

Nos países em que o 5G já foi adotado, os relatos são de que a vida não é mais a mesma, já que as experiências comprovam que a transmissão de dados beira o imediatismo, com atrasos de apenas 1 ms – contra 50 ms do 4G – e milhares de aparelhos conectados não apenas à rede, mas também entre si.

O mercado de celulares 5G

O ano de 2021 já está sendo marcado pela expansão do 5G, com a programação do leilão da Anatel para distribuição das frequências que poderão suportar a rede. Apesar de não ter começado a ser instalado ainda, o mercado já se encontra pronto para o recebimento do novo sinal, já que diversas empresas programaram o lançamento dos celulares que suportam a tecnologia 5G.

A Motorola, por exemplo, vem lançando aparelhos compatíveis com a tecnologia 5G desde 2020. De acordo com um estudo feito pela IDC, cerca de 35,2 milhões de unidades de celulares 5G foram vendidos nos Estados Unidos, o que representou um aumento de 2,28 mil por cento em relação a 2019. Até 2024, o volume pode chegar a 146,5 milhões de unidades.

O número grande de aparelhos 5G vendidos é assim estimado principalmente porque 2021 promete ser um ano em que smartphones compatíveis com a tecnologia sejam lançados a baixo custo, ou seja, telefones 5G mais acessíveis do ponto de vista do hardware, mas que poderão configurar velocidades de internet altíssimas e acessar diversos recursos por causa disso.

No Brasil, a Motorola, uma das primeiras marcas a trazer celulares com 5G no país, já disponibilizou aparelhos das linhas moto g 5G e motorola edge no mercado para os apreciadores da tecnologia. Os modelos motorola edge, moto g 5G plus, moto g 5G e moto G100 são capazes de se conectar tanto ao 4G como ao 5G DSS (uma espécie de 4,5G) e, futuramente, também ao 5G puro.

Esse movimento da marca é um passo importante para a tecnologia e para o mercado de smartphones, pois prepara o terreno para a entrada do 5G que está cada vez mais perto de se tornar uma realidade no Brasil.