Menores de idade não acessam tanta pornografia pelo celular quanto se imaginava. Ou acessam?

1 min de leitura
Imagem de: Menores de idade não acessam tanta pornografia pelo celular quanto se imaginava. Ou acessam?
Avatar do autor

Uma pesquisa conduzida por Kimberley Mitchell, professora de psicologia e pesquisadora da Universidade de New Hampshire, apontou que o problema com o compartilhamento de imagens e vídeos pornográficos por menores de idade via celulares (conhecido como “sexting”) não é tão grave quanto se imaginava.

De acordo com o site Baboo, o estudo foi realizado com 1.560 jovens entre 10 e 17 anos, revelando que 2,5% dos entrevistados afirmam já terem sido gravados em cenas eróticas. Contudo, apenas 1% do grupo pesquisado já recebeu ou compartilhou fotografias pornográficas pela internet, e outro 1% filmou a si mesmo mostrando sua genitália.

Segundo Mitchell, o armazenamento de conteúdos pornográficos não é acidental, pois as novas gerações aprendem cada vez mais cedo a manipular os equipamentos eletrônicos. Os resultados do estudo realmente são baixos, mas até que ponto os entrevistados realmente foram honestos?

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Menores de idade não acessam tanta pornografia pelo celular quanto se imaginava. Ou acessam?