Faraday Future entra na bolsa e quer levantar US$ 1 bilhão

2 min de leitura
Imagem de: Faraday Future entra na bolsa e quer levantar US$ 1 bilhão
Imagem: Reprodução
Avatar do autor

Conhecida por sua trajetória turbulenta, a Faraday Future, empresa estadunidense que desenvolve veículos elétricos inteligentes, anunciou, nesta quinta-feira (28), que se tornará uma empresa de capital aberto na bolsa de valores Nasdaq, além de estar levantando cerca de US$ 1 bilhão no processo e se fundindo à Property Solutions Acquisition.

Cerca de US$ 230 milhões virão da Property, enquanto outros US$ 775 milhões virão de uma nova rodada de financiamentos que ocorrerá junto à fusão. A Geely terá participação de menos de 10%, enquanto US$ 175 milhões estão ligados ao governo chinês.

Entre as expectativas da companhia estão a construção de sua fábrica na Califórnia (EUA) e o lançamento do SUV de luxo FF91 em 12 meses a partir da finalização do movimento, que deve ocorrer no segundo trimestre de 2021. Outros modelos devem vir a seguir. Mercados como Estados Unidos, China e Europa estão na mira da fabricante.

Jordan Vogel, CEO da Property Solutions, tomou a decisão de se fundir à companhia após analisar 65 candidatas: "A Faraday Future é de longe a empresa mais atraente que já vimos", declarou em entrevista ao The Verge.

Faraday Future anuncia abertura de capital.Faraday Future anuncia abertura de capital.Fonte:  Reprodução 

Altos, baixos e mais baixos

Fundada em 2014, a Faraday Future começou a "aparecer" em 2015 e sempre indicou o desejo de abrir capital. Entretanto, problemas de caixa levaram seu fundador, Jia Yueting, a gastar centenas de milhões de dólares do próprio bolso e a se exilar da China, local em acumulava dívidas crescentes principalmente após o colapso de seu conglomerado de tecnologia LeEco.

Entradas de grandes executivos levaram a companhia a rejeitar uma proposta de reestruturação por meio de falência oferecida pelo Krause Group, mas logo depois a debandada dos figurões e ondas de demissões fizeram com que Yueting assinasse um acordo de risco em 2017 com o conglomerado imobiliário chinês Evergrande – uma relação que "azedou" em pouco tempo e chegou aos tribunais de Hong Kong.

Jia Yueting, fundador da companhia.Jia Yueting, fundador da companhia.Fonte:  Reprodução 

Mesmo com a desistência de grandes planos, as centenas de demissões posteriores, os cortes de salários, a saída dos principais executivos e o acúmulo de centenas de milhões de dólares em dívidas com fornecedores e vendedores, a Faraday Future chegou até aqui – e deve ser "fatiada" com a nova jogada.

Acionistas da Property Solutions Acquisition deterão 6,8% da empresa, enquanto aqueles que cederem os US$ 775 milhões terão 23% e os credores possuirão 17,2%. Os atuais acionistas, por sua vez, acumularão, em conjunto, 51,1%.

News de tecnologia e negócios Deixei seu email aqui, e welcome to the Jungle.
Faraday Future entra na bolsa e quer levantar US$ 1 bilhão