Netflix atualmente é um dos apps mais rentáveis entre os disponíveis para iOS, graças a uma cota repassada à Apple sobre as assinaturas pagas por meio do iTunes. Agora, o serviço de streaming estaria testando o fim do método de compensação oferecido em iPads e iPhones, justamente para driblar essas taxas e, claro, faturar mais.

Lista de países onde os "testes" vêm sendo realizados inclui o Brasil

De acordo com o TechCrunch, a Netflix afirma que vem “realizando testes” com pagamento fora do iTunes. Isso foi flagrado na semana passada, na Índia, pelo Gadgets 360. Um funcionário da própria Netflix confirmou que isso vem acontecendo desde junho, inicialmente em 10 países, e agora vem sendo levado para 33 países entre agosto e setembro. Até o dia 30 de setembro, novos assinantes em mercados selecionados na Europa, América Latina e Ásia não conseguirão acertar as contas usando o iTunes e, ao invés, disso, eles serão redirecionados para uma página direta com as opções da Netflix em cada praça.

A lista de países inclui o Brasil, ao lado de África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Colômbia, Coréia, Croácia, Dinamarca, Equador, Eslováquia, Espanha, Filipinas, Finlândia, França, Hungria, Índia, Indonésia, Itália, Japão, Malásia, México, Noruega, Peru, Polônia, Reino Unido, República Checa, Suécia, Taiwan e Tailândia.

Todos os usuários com dificuldades para realizar pagamentos da Netflix via iTunes por enquanto vêm apenas sendo redirecionados para o suporte da própria Apple.

Relação complicada

Tanto a Netflix quanto o Spotify têm uma relação complicada com a Apple desde o começo. Isso porque se por um lado a App Store oferece uma grande distribuição por meio de todo o ecossistema da Maçã, por outro a Gigante de Cupertino também exige uma boa fatia do bolo para fazer isso. Antes, eram cobrados 30% de comissão sobre todas as assinaturas anuais realizadas por meio da loja virtual.

Depois de discussões, os 30% foram mantidos no primeiro ano e baixaram para 15% a partir do segundo. Deixar de repassar essa quantia é, claro, uma maneira da Netflix otimizar a receita com seus atuais mais de 130 milhões de usuários ativos. Ainda não há declarações da Apple, mas pode ser que em breve vejamos mudanças nas cobranças das taxas, pois a Maçã não deve curtir ver essa verba sair facilmente de sua plataforma.