Coronavírus pode se manter ativo no organismo por longos períodos

2 min de leitura
Imagem de: Coronavírus pode se manter ativo no organismo por longos períodos
Imagem: Rawpixel
Avatar do autor

Pacientes com sintomas leves de covid-19 podem ser capazes de transmitir o novo coronavírus por um período superior ao que se acreditava. A hipótese foi levantada no estudo feito pelo Instituto de Medicina Tropical da Universidade de São Paulo (IMT-USP), publicado no medRxiv recentemente.

A pesquisa conduzida pela professora do IMT-USP Maria Cassia Mendes-Correa, em revisão pela comunidade científica, baseou-se nos casos de duas pacientes nas quais o Sars-CoV-2 ficou ativo no organismo durante mais de 30 dias, superando os 14 dias de isolamento indicados no Brasil.

Uma das mulheres, atendida pela primeira vez em abril de 2020, convivia com tosse seca, fraqueza, dores de cabeça, no corpo e nas articulações há mais de 20 dias. A presença do vírus foi confirmada por meio de um exame RT-PCR realizado 22 dias após o início do quadro.

A tosse seca é um dos sintomas apresentados pelas voluntárias.A tosse seca é um dos sintomas apresentados pelas voluntárias.Fonte:  Rawpixel 

Perda de olfato e do paladar, vômito e náusea apareceram na sequência, sendo necessário fazer um novo teste 37 dias após o início, que mais uma vez deu positivo. A maioria dos sintomas só foi desaparecer em meados de maio, conforme o artigo.

Revisão no prazo de isolamento

Já a segunda paciente apresentou febre, tosse, coriza, dor de cabeça, nas articulações e no corpo, náusea e fraqueza em maio. Ela testou positivo cinco dias após o surgimento dos sintomas, que persistiram e levaram a um novo exame, 24 dias depois, ainda indicando a presença do coronavírus. No total, foram 35 dias sintomática.

Como se tratam de casos atípicos, as amostras de secreção nasofaríngea das pacientes passaram por uma análise profunda. “O material foi inoculado em uma cultura de células epiteliais e, após diversos testes, confirmamos que o vírus ali presente ainda estava viável, ou seja, era capaz de se replicar e de infectar outras pessoas”, afirmou a líder do estudo.

A transmissão pode se dar por mais de 30 dias, segundo a pesquisa.A transmissão pode se dar por mais de 30 dias, segundo a pesquisa.Fonte:  Rawpixel 

O grupo de pesquisa acompanhou ainda outras 50 pessoas em situação semelhante — sintomas leves e prolongados. Em 18% dos casos, o teste RT-PCR indicou o Sars-CoV-2 ativo por até 50 dias. “Entre estes, 6% mantiveram-se transmissores (com o vírus ainda se multiplicando) durante 14 dias”, comentou a professora.

De acordo com Mendes-Correa, o resultado do estudo mostra que os 10 dias de isolamento recomendados pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) para quadros leves podem não ser o ideal para impedir novas contaminações.

Transmissão por vários meses

A pesquisadora relatou também a existência de pacientes imunossuprimidos que podem permanecer infectados por mais tempo. Um dos voluntários, submetido a um transplante de medula óssea, está em isolamento há seis meses.

O monitoramento de casos como este é fundamental, pois eles oferecem as condições ideais para que surjam variantes do coronavírus ainda mais agressivas, segundo a autora.