Durante a Game Developers Conference 2016, a Crytek anunciou a nova versão do seu motor gráfico, o CryEngine. Aqueles que quiserem adquirir a ferramenta já podem fazê-lo em um sistema diferente do adotado por muitas empresas: em vez de colocar um preço para os usuários, a companhia decidiu adotar o modelo “pague o quanto quiser”. 

Feito o investimento, os desenvolvedores terão total aceso aos códigos e ferramentas oferecidos pelo motor gráfico. A melhor parte disso é que não haverá a necessidade de pagar qualquer taxa extra, royalties ou coisas do gênero para a Crytek posteriormente. 

Também houve a menção de que, no momento da compra, é possível definir um montante para ser destinado ao Indie Development Fund da Crytek (até 70% do valor oferecido pode ser repassado para essa divisão). Somado a isso, foi dito que o motor gráfico dá acesso ao CryEngine Marketplace, onde estão milhares de materiais criados pela produtora e pela comunidade (como sons e objetos 3D). 

“[O] CryEngine V representa o nosso compromisso de não apenas oferecer aos desenvolvedores a tecnologia mais atual, mas também em torná-la o mais acessível possível. A chegada do CryEngine Marketplace, uma interface de usuário remodelada e os novos canais de suporte vão tornar mais fácil usar o poder da CryEngine – e pelo preço que for mais confortável para cada um. A comunidade é o coração do modelo ‘pague o quanto quiser’, o que acreditamos aumentar a colaboraçãoentre nós e os desenvolvedores, bem como entre eles”, disse Cevat Yerli, diretor-executivo da Crytek. 

E aí, o que você achou do novo modelo adotado pela Crytek para a venda do CryEngine V? Comente no Fórum do TecMundo

Realidade virtual 

Entre as novidades da nova versão do CryEngine está o fato de que ele oferece suporte a recursos de realidade virtual. Por falar na tecnologia, a empresa revelou recentemente um novo trailer de The Climb, game que foi revelado no final do ano passado e o coloca no controle de um escalador de montanhas. 

Como na vida real, o seu principal objetivo é, com a ajuda do Oculus Rift, chegar ao topo da montanha inteiro e ter a oportunidade de contar essa história. Recorrendo ao acessório, é possível mover o pescoço na tentativa de encontrar o melhor caminho para continuar a trajetória. Aliás, um detalhe: o protagonista fica suado conforme se esforça, então é preciso ficar atento a isso (bem como ao nível de giz nas luvas) para não despencar das alturas.