O YouTube é muito bom para uma série de fatores. Nele, nós podemos encontrar uma infinidade de vídeos divertidos, bonitos, bem produzidos e conhecer músicas excelentes. Mas como tudo na vida, ele também tem um lado ruim. E o Gizmodo separou uma lista com os cinco do que há de pior nesse lado ruim do serviço. Confira:

5. Justin Bieber: Baby

Um dos vídeos mais assistidos da história do planeta e o quinto com mais cliques negativados. Mais de dois milhões de pessoas clicaram no polegar para baixo para mostrar o quanto estavam insatisfeitas. O fato é que a grande maioria estava desaprovando muito mais a imagem de Justin Bieber do que a música que ele canta.

4. Rebecca Black: Friday

Dois mil dólares por uma música e um clipe padronizado criados por uma empresa chamada “Ark Music Factory”. Esse foi o investimento inicial que Rebecca Black teve de fazer para começar sua carreira musical. O resultado é “Friday”, uma das músicas mais grudentas da história. Enquanto ela decidia se sentava no banco da frente ou de trás, milhões de pessoas desaprovaram a música.

3. Jessi Slaughter

Uma menina de apenas 11 anos que conhece muitos palavrões – mais do que qualquer um aqui no Tecmundo conhecia aos 11 anos. Jessi Slaughter é essa menina, que decidiu criar um vídeo no YouTube para contar como era melhor do que todas as pessoas que falavam mal dela. Depois desse vídeo, muitas pessoas realmente sacanearam a menina. Ela ficou triste, seu pai apareceu e o resultado é este vídeo aqui! “As consequências nunca mais serão as mesmas”.

2. Rick Perry: Strong

Mais um vídeo que quase conseguiu mais “negativadas” do que visualizações – e teria conseguido, se isso fosse possível. Rick Perry quer ser o presidente da república nos Estados Unidos. A seguinte frase justifica o ódio: “Você não precisa ir à igreja todo domingo para saber que tem algo errado no país quando os gays podem servir no exército, mas as crianças não podem celebrar o Natal ou rezar nas escolas”.

1. God is so good

Uma mensagem de amor e paz é o que se espera quando vemos o título deste vídeo: “Deus é tão bom!”. Mas tudo o que se encontra nesta “obra” são frases de intolerância e ódio. A criadora da obra está celebrando os terremotos que devastaram o Japão, pois eles são uma prova de que Deus existe. Segundo ela, o país tem muitos ateus, por isso foi maravilhoso ver o amor de Deus destruindo aquelas pessoas.