Instagram: perfis de famosos geram sensações negativas, diz estudo

1 min de leitura
Imagem de: Instagram: perfis de famosos geram sensações negativas, diz estudo
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

O jornal The Wall Street Journal publicou detalhes sobre o estudo realizado pelo Facebook que confirma a geração de efeitos negativos da rede social Instagram em seus usuários mais jovens — e que a empresa sabe exatamente quais são essas consequências.

De acordo com o site, ver publicações constantes de algumas celebridades gerou "sentimentos negativos" sobre autoimagem e comparação com a pessoa famosa em questão. Artistas como Kim Kardashian, Justin Bieber, Ariana Grande e Kendall Jenner foram citados como os principais influenciadores nesse caso.

O perfil de Jenner, um dos mais indicados a gerar efeitos negativos na rede social.O perfil de Jenner, um dos mais indicados a gerar efeitos negativos na rede social.Fonte:  Instagram 

Por outro lado, contas no Instagram como a do jogador brasileiro Neymar, o ator Will Smith e a apresentadora Ellen DeGeneres foram as celebridades com índice de "menor comparação negativa" — o que não significa exatamente influência positiva, mas sim um impacto reduzido em comparação com os demais.

Consequências futuras

O estudo envolveu 100 mil pessoas entre março e abril de 2020 em nove países, incluindo Estados Unidos, Austrália e Brasil. O questionário não pedia para que os participantes nomeassem contas específicas, mas foram deduzidas pelo Facebook a partir de cruzamento de dados e as respostas.

A reportagem faz parte de um dossiê publicado pelo jornal contra o Facebook, que inclui ainda denúncias de que a empresa trata perfis de celebridades de forma diferente e prefere ações que aumentem o engajamento, mesmo que prejudiquem a qualidade das publicações.

Em respostas anteriores, o Facebook criticou as matérias por pegarem contextos negativos de apenas um dos estudos que são realizados pela empresa, mas posteriormente confirmou alguns dos achados. Como consequência, entretanto, a empresa terá que se explicar ao Congresso do EUA sobre o assunto.

Fontes