Pesquisa admite efeito negativo do Instagram na saúde de jovens

2 min de leitura
Imagem de: Pesquisa admite efeito negativo do Instagram na saúde de jovens
Imagem: 10 FACE/Shutterstock
Avatar do autor

O Facebook publicou, na última quarta-feira (29), dois trechos de uma pesquisa que realizou para verificar o quanto o Instagram prejudica a saúde mental de adolescentes. A rede social é acusada de falta de transparência na divulgação de relatórios sobre o impacto das publicações, principalmente entre o público jovem.

A gigante da tecnologia resolveu publicar trechos da pesquisa após o Wall Street Journal (WSJ) divulgar uma matéria com seis páginas do estudo. A divulgação pelo veículo veio horas antes de os executivos do Facebook falarem aos congressistas do Senado dos Estados Unidos (EUA) sobre o assunto.

O WSJ chegou a acusar, inclusive, o Facebook de saber a influência negativa que o Instagram tem na saúde mental dos jovens do mundo todo. Os executivos da empresa deverão se defender das acusações e, para isso, utilizarão esse relatório produzido.

O efeito do Instagram nos jovens

Apesar de ressalvas sobre a interpretação dos dados, o relatório (que entrevistou 565 adolescentes nos EUA, e outros 557 no Reino Unido) mostra que a rede social realmente afeta os menores de idade. Segundo a pesquisa, pelo menos 1% dos jovens (16 pessoas) chegou a responder à pesquisa dizendo ter tido pensamentos suicidas por causa do Instagram.

A maioria dos adolescentes do Reino Unido (51%) disseram também ter pensamentos sobre a necessidade de criar "uma imagem perfeita" após acessarem o Instagram. Em relação aos norte-americanos, a maior reclamação (42%) foi que a rede os fez começar a pensar que não tinham muito dinheiro.

Instagram

Além da correlação com a rede social, o estudo pesquisou questões gerais sobre a saúde psicológica dos adolescentes norte-americanos e britânicos. Os resultados mostram que, de maneira geral, os meninos dizem ter um melhor bem-estar do que as meninas.

A maioria dos jovens (75% dos britânicos e 67% dos norte-americanos) também respondeu que se sente socialmente pressionada a ter determinada aparência.

A defesa do Facebook

Apesar de não negar o impacto negativo do Instagram na saúde mental de adolescentes, a companhia se defendeu no próprio relatório dizendo que a pesquisa não procurou saber a causalidade entre a rede social e a saúde ou bem-estar dos jovens.

De acordo com um trecho da pesquisa, embora algumas respostas enfatizem aspectos negativos, também há respostas neutras e até positivas, ou seja, indicando que algumas pessoas se sentem melhor com si mesmas após utilizar a plataforma.

Para fazer a defesa, a empresa utiliza o trecho em que mostra que mais de 70% dos adolescentes disseram se sentir bem ao interagir com memes ou perfis de humoristas que seguem na rede, por exemplo.

Instagram

Sobre os jovens que tiveram pensamentos suicidas após interagirem com o Instagram, a empresa disse que a taxa é bastante baixa, mas complementou: "Uma pessoa que usa o Instagram e já tem uma sensação suicida é o bastante para nos preocuparmos. É por isso que nós investimos tanto em suporte, recursos e intervenções para as pessoas que utilizam os nossos serviços".

Outra questão que o Facebook reforçou na própria pesquisa foi de que os efeitos positivos e negativos do Instagram dependem muito do bem-estar subjetivo dos adolescentes. "Adolescentes com menor satisfação em relação à vida têm mais probabilidade de dizer que o Instagram torna sua saúde mental ou a maneira como eles se sentem sobre si mesmos piores do que adolescentes que estão satisfeitos com suas vidas", segundo argumento do trecho do relatório.