Instagram trabalha em 'Stories Exclusivos' com possível assinatura

1 min de leitura
Imagem de: Instagram trabalha em 'Stories Exclusivos' com possível assinatura
Imagem: Alessandro Paluzzi/Twitter
Avatar do autor

Seguindo uma tendência de outras mídias sociais, o Instagram também está construindo uma função que, a exemplo do Super Follow do Twitter, permitirá que criadores publiquem conteúdos exclusivos em seus stories, que estarão disponíveis para fãs que deverão pagar algum tipo de assinatura.

A confirmação ocorreu nesta quarta-feira (30), depois de diversas capturas de tela terem sido divulgadas no Twitter pelo usuário Alessandro Paluzzi, no dia 21/06. Embora tenha confirmado que as imagens são de um protótipo interno, o Instagram recusou-se a prestar qualquer detalhe adicional sobre o seu projeto.

Nas imagens vazadas, é possível verificar a forma com a qual essas publicações diferenciadas, chamadas de "Stories Exclusivos", irão se destacar — elas terão uma cor diferente (roxo, no exemplo).

Quando os usuários se depararem com essas histórias exclusivas, provavelmente encontrarão uma mensagem informando que "apenas membros" poderão visualizar o conteúdo.

As novas ferramentas para criadores no Instagram

Engenheiro reverso por profissão, Alessandro Paluzzi costuma garimpar recursos ainda não lançados no código de aplicativos móveis. Entre as screenshots divulgadas, estão, além das referências aos Stories Exclusivos, um projeto chamado "Colecionáveis", que trata do recurso NFT. A sugestão é de que as produções digitais poderiam ser transformadas em tokens para venda.

Stories Exclusivos e NFTs são apenas exemplos de planos maiores do Instagram com vistas a ampliar as ferramentas de monetização de criadores. Embora a empresa ainda não tenha detalhado publicamente sobre esses produtos em desenvolvimento, o chefe da rede social, Adam Mosseri, confirmou que a empresa estaria explorando recursos como as assinaturas e NFTs.

Falando ao The Information, durante a Semana do Criador do Instagram no início de junho, Mosseri confirmou que a empresa estava trabalhando em "ferramentas que podem ajudar os criadores a ganhar a vida".

Para ele, as principais formas de monetizar são: o comércio, com o conteúdo de marca; pagamento de assinaturas ou participação nos lucros, com vídeos curtos e longos, por exemplo.