Museus exibem acervo histórico do ex-presidente da Samsung

1 min de leitura
Imagem de: Museus exibem acervo histórico do ex-presidente da Samsung
Imagem: Museu Nacional de Arte Moderna e Contemporânea/Reprodução
Essa não é uma matéria patrocinada. Contudo, o TecMundo pode receber uma comissão das lojas, caso você faça uma compra.
Avatar do autor

O Museu Nacional da Coreia e o Museu Nacional de Arte Moderna e Contemporânea (MMCA) abriram duas exposições, na semana passada, com as primeiras das 23 mil obras doadas pela família de Lee Kun-hee, ex-presidente da Samsung que faleceu em outubro de 2020.

A doação teria evitado uma taxação de mais de US$ 10,8 bilhões em imposto sobre herança, segundo estimativas. Entretanto, a informação não foi confirmada e também não se sabe o valor total do acervo.

Entre as obras doadas estão antiguidades centenárias, obras de arte coreana contemporânea populares no país, além de pinturas de Paul Gauguin, Pierre-Auguste Renoir, Camille Pissarro, Marc Chagall, Salvador Dalí. Joan Miró, Pablo Picasso e Claude Monet.

Doação do século

Obras de pintores famosos mundialmente, como Pierre-Auguste Renoir, estão no acervo doado. (Fonte: Museu Nacional de Arte Moderna e Contemporânea/Reprodução)Obras de pintores famosos mundialmente, como Pierre-Auguste Renoir, estão no acervo doado. (Fonte: Museu Nacional de Arte Moderna e Contemporânea/Reprodução)Fonte:  Museu Nacional de Arte Moderna e Contemporânea/Reprodução 

A MMCA, que recebeu quase 1.500 das obras, classificou o ato como "a doação do século". Em entrevista à CNN, a curadora-sênior do museu, Park Mihwa, afirmou que a coleção de pinturas, desenhos e esculturas representou a maior contribuição recebida pelo museu "tanto em termos de valor quanto de escala".

Entre as obras doadas, a curadora destaca grandes obras de arte do início do século 20. Para Park, os trabalhos de fora da Coreia do Sul aumentam a qualidade e quantidade do acervo do museu, o que deve permitir a expansão da pesquisa da história da arte.

A curadora ressalta que a aquisição das obras de arte seria difícil com o orçamento anual da instituição, que está em torno de US$ 4,35 milhões. A instituição espera que a coleção impulsione o turismo artístico e torne a Coreia do Sul uma potência da cultura artística no mundo.

Museu exclusivo

O Ministério da Cultura, Esportes e Turismo da Coreia do Sul afirmou que a doação ajudaria as duas instituições coreanas a “competir com museus famosos no exterior”. A coleção do ex-presidente da Samsung é tão vasta que o órgão planeja construir um novo museu apenas com o acervo doado.

News de tecnologia e negócios Deixe seu melhor e-mail e welcome to the jungle.

Fontes