Com a família iPhone completando uma década de existência nesta quinta-feira (29), marcando a data de lançamento do primeiro celular da Apple, nada melhor do que fazer uma viagem pela história da marca, certo? Além de esses aparelhos serem a fonte de muitas curiosidades e de muitos avanços na indústria, eles serviram de “inspiração” para diversos outros fabricantes, que viram no iPhone alguns recursos e algumas funcionalidades que casariam perfeitamente com os seus produtos.

Sim, a empresa da Maçã também se apropriou de algumas ideias dos seus concorrentes para aprimorar a experiência com os smartphones da casa, mas isso não quer dizer que a companhia não esbanjou criatividade e inovação nos seus produtos. Com isso em mente, você pode conferir abaixo quais foram as principais novidades introduzidas pelo iPhone que todo mundo do outro lado da cerca quis um pedaço. Por que dez? Oras, para celebrar o aniversário de dez anos do gadget, é claro!

1) Assistente pessoal

Embora os assistentes digitais já marquem presença há algum tempo no mundo da tecnologia, muitas vezes a interação com eles era bem limitada ou dependia de comandos via texto ou cliques – como era o caso do amado/odiado Clippy. A Apple, então, sacudiu o mercado ao integrar ao seu sistema mobile a Siri: uma assistente pessoal inteligente, que entende a sua voz e analisa o contexto para oferecer respostas. Claro que a brincadeira se tornou um sucesso e deu origem a diversos produtos semelhantes, como Alexa (Amazon), Google Assistant (Google), Bixby (Samsung) e tantos outros.

2) Force Touch

Ok, ok, esse é polêmico! Por quê? Basicamente porque todo mundo sabe que foi a Huawei que apresentou esse recurso ao mundo com o seu Mate S, certo? Não exatamente. No press release sobre o anúncio do Apple Watch, datado de 9 de setembro de 2014, a empresa da Maçã já falava que o gadget traria o “Force Touch, uma tecnologia que percebe a diferença entre um toque leve e uma pressão”.

A tecnologia realmente fez parte do relógio quando ele foi lançado, em abril de 2015, mas já com o nome de 3D Touch – a mesma função transportada para o então vindouro iPhone 6. Claro que a fabricante aproveitou a oportunidade para criar e divulgar sua própria versão da ferramenta. Porém, foi realmente a Apple quem inaugurou esse estilo de interação por toque e foram os iPhones que popularizaram a função, graças à boa integração dela com o iOS.

3) O dourado é o novo preto

Nem de longe a Apple foi a primeira a fabricar um celular dourado. Até mesmo a Samsung se aventurou por esses mares antes da Maçã. No entanto, foi só quando a companhia de Cupertino resolveu adicionar essa opção de cor aos seus smartphones que isso virou uma tendência. Basta conferir que, após o lançamento do iPhone 5s Gold, outras marcas do setor correram para pegar a onda e promover o brilho do ouro em seus dispositivos. Vale notar que a cor Ouro Rosa também teve um impacto bem grande no mercado e ainda hoje conquista consumidores e concorrentes.

4) Loja de aplicativos

Fica difícil imaginar um celular que não tenha aplicativos feitos sob medida para as suas necessidades, certo? Mas, acredite, eles já foram assim, inclusive os da Apple. Foi só em julho de 2008 que a empresa introduziu sua App Store junto do iPhone OS 2.0. Em pouco tempo, a loja de aplicativos atraiu parceiros e desenvolvedores e preencheu a plataforma com apps para todos os gostos e bolsos. Não demorou para que a Google lançasse o Android Market, posteriormente rebatizado de Google Play, e para que outras empresas seguissem o mesmo caminho – de Xiaomi e Samsung a Amazon e LG.

5) Vidro = Premium

Já faz algum tempo que a Apple se afastou do material e decidiu dedicar seus esforços a carcaças metálicas. Porém, foi o vidro na parte traseira do aparelho que acabou se tornando uma marca registrada dos celulares da casa, especialmente com a dupla iPhone 4 e 4s. Tempos depois, a Samsung adotou o vidro em seus smartphones top de linha – começando com o Galaxy S6 –, com outras fabricantes seguindo a tendência, em especial a Sony. Atualmente, mesmo aparelhos intermediários acabam utilizando o material para dizer que têm acabamento premium.

6) Flash dual tone

Hoje em dia, falar desse tipo de recurso é até estranho, já que mesmo equipamentos de entrada contam com ele, e modelos top de linha podem trazer até quatro LEDs para aprimorar suas fotos noturnas. Porém, foi o iPhone 5s que fez a estreia do flash dual tone, oferecendo uma mistura entre a luz fria e a quente para criar um melhor equilíbrio de branco nas imagens feitas pelo celular – que antes ficavam artificiais ou “chapadas” demais.

7) Adeus, teclas!

Digitar no celular é coisa das antigas. Afinal, esses aparelhos já mandam mensagens de texto e até emails há muito tempo, fazendo com que o público ficasse craque na técnica de metralhar os teclados alfanuméricos – com conjuntos de 3 ou 4 letras por tecla – ou suas versões QWERTY. Em 2007, no entanto, para surpresa de todo mundo, a Apple resolveu que isso era muito antiquado e revelou sua ideia de teclado virtual durante o lançamento do primeiro iPhone.

Isso era algo que Palm e seu Pilot haviam feito anteriormente, mas de forma muito mais tímida e exigindo o uso de uma caneta stylus. Com seu smartphone, a Apple tinha um objetivo mais ousado, que era valorizar o espaço de tela e a interação via toque. A novidade foi recebida inicialmente com estranheza, mas logo se tornou padrão no mercado mobile. Ironicamente, o melhor teclado para iOS da atualidade, na opinião de muitas pessoas, não é o da Maçã, mas sim o Gboard, da Google.

8) Gorilla Glass

Outro que faz parte da listinha “ué, mas todo mundo tem isso!”. Sim, o Gorilla Glass também está no mercado há tempos, protegendo a tela do seu celular de riscos, trincadas e pequenas quedas. Porém, você sabe há quanto tempo exatamente essa tecnologia está disponível da forma como a conhecemos hoje? O mesmo tempo que o primeiro iPhone, já que foi nesse aparelho que o produto da Corning fez sua estreia na indústria mobile. Ter uma tela mais difícil de riscar foi uma exigência pessoal de Steve Jobs e deu origem a um material que acabou entrando para a história dos smartphones.

9) Ecossistema da casa

“Apenas funciona”. Esse é o mantra seguido pela Apple em praticamente todos os seus produtos. O lançamento e a evolução do iPhone, porém, foi o que fez a experiência com os dispositivos da Maçã se tornar tão suave e intuitiva. Nada mais justo, uma vez que o aparelho acabou se transformando em um verdadeiro cérebro para acessórios como Apple Watch, AirPods e, futuramente, HomePod. A fórmula deu tão certo que inspirou projetos e iniciativas de empresas como Samsung, ASUS, LG e tantas outras, que passaram a criar um ecossistema mais amplo focado em seus celulares.

10) Design icônico

É claro que não poderíamos deixar de falar do design escolhido pela Apple para seus celulares. Durante muito tempo, era extremamente fácil identificar um iPhone, mesmo que ele estivesse distante e no meio de outros aparelhos. As linhas retas, as laterais chanfradas e o visual minimalista sempre acabaram contribuindo muito para isso. Porém, é claro que esse jeitão caiu no gosto popular e muitas fabricantes beberam na fonte da Maçã para atender aos seus consumidores, com as marcas asiáticas se destacando nesse ponto.

Enquanto a Samsung só se inspirou na concorrente após sua decisão de ter um aparelho realmente premium, na forma do Galaxy S6, outras marcas não foram nem tão gentis, nem tão discretas. Os chineses, em especial, cansaram de usar os traços exatos do iPhone para criar não só réplicas exatas do gadget como também linhas inteiras de dispositivos de empresas locais. Esse é o caso da Meizu, que, apesar de oferecer produtos de extrema qualidade, ainda briga para ter uma identidade própria em questão de design e se afastar um pouco do visual da Apple.

Cupons de desconto TecMundo: