A Google anunciou em junho deste ano uma nova medida para isolar vídeos com conteúdo ofensivo dentro da plataforma e, desde ontem (24), a companhia começa a colocar tudo em prática. A ideia não envolve necessariamente remover materiais, afinal nem sempre esse tipo de conteúdo viola diretrizes da empresa, mas, sim, dificultar que tais vídeos sejam encontrados e penalizar a sua monetização.

Ainda no início de agosto, a empresa também anunciou uma nova estrutura de monetização que indica quais vídeos podem ou não render dinheiro dentro do YouTube. Em suma, são várias ferramentas que vão trabalhar em conjunto para diminuir o cerco contra quem utiliza a plataforma da Google para publicar material ofensivo ou que fazem apologia, por exemplo, à supremacia branca e à negação do Holocausto.

Google vai dificultar a vida de vídeos com conteúdo ofensivo publicados no YouTube

“O YouTube não permite discurso de ódio ou conteúdo que promova ou incite a violência”, informa uma carta distribuída pela plataforma para criadores de conteúdo. “Em alguns casos, vídeos sinalizados que não violam claramente as Diretrizes de Comunidade, mas com conteúdo potencialmente controverso ou ofensivo, podem continuar ativos, mas com alguns recursos desativados.”

Além de ficarem mais “escondidos” nos resultados das buscas e de também terem a sua monetização suspensa, vídeos enquadrados nesse novo formato de avaliação podem também ter suspensa a caixa de comentários em suas postagens. Tudo isso se junta a outras iniciativas, como a de redirecionamento em casos de vídeos envolvendo terrorismo, para tentar tornar o YouTube um lugar mais saudável.

Cupons de desconto TecMundo: