A conferência F8 do Facebook para desenvolvedores que acontece amanhã e depois em San Francisco, EUA, oficialmente ainda é um completo mistério. A rede social não comentou absolutamente nada sobre o que vai mostrar no evento, mas nós temos algumas expectativas alimentadas especialmente pelo noticiário recente a respeito do Facebook, assim como pela dimensão dos rumores.

Nós reunimos alguns tópicos acerca de como o Facebook pode conduzir o encontro com os desenvolvedores, sendo que os maiores assuntos devem ser os apps “periféricos”, que não são de fato a rede social, mas sim apps/serviços adquiridos ou desenvolvidos em volta dele. Confira:

Messenger

É muito provável que o Messenger seja a estrela principal da F8. O mensageiro recentemente ganhou uma série de novas funcionalidades no que diz respeito à forma como os usuários podem usar o serviço no futuro. Novos recursos para encontrar e adicionar amigos foram implementados, alguns deles até bem parecidos com o que já temos no Snapchat há um bom tempo.

O grande trunfo do Messenger seriam os chatbots, softwares artificialmente inteligentes capazes de interagir com humanos através de mensagens de texto

Contudo, o grande trunfo do Messenger seriam os chatbots, softwares artificialmente inteligentes capazes de interagir com humanos através de mensagens de texto. Rumores sobrea a existência de um SDK para empresas e negócios desenvolverem seus próprios bots a partir da plataforma inteligente do Facebook já correm pela web desde a última semana.

Algumas parceiras da rede social já teriam tido acesso a isso e já estão oferecendo serviços como compra de ingressos para cinema, passagens, reservas em hotéis e restaurantes direto no mensageiro. Você conversa com o perfil da empresa no app e, automaticamente, um bot começa a lhe enviar informações sobre possibilidades de atendimento. Confira mais detalhes aqui

Espera-se que o Facebook oficialize todos esses rumores e dê mais detalhes sobre como os desenvolvedores poderão utilizar esse suposto SDK. A companhia deve comentar também como espera monetizar a plataforma, uma vez que oferecer acesso ao Messenger para empresas pode ser uma fonte de dinheiro bastante profunda.

Vídeos

O Facebook recentemente implementou a função de transmissão de vídeos ao vivo em uma seção proeminente do seu app, mas a novidade ainda não atingiu todos os usuários no Android e no iOS. Ao que parece, a liberação está sendo feita gradativamente. Os vídeos ao vivo ou “Facebook Live” vão tomar o lugar no Messenger no app da rede social, e o mensageiro passará a seguir seu caminho separadamente.

Como você pode imaginar sabendo dessa mudança, o Facebook está dando muita importância para o Live. Por isso também é provável que alguma coisa sobre o recurso seja comentada durante a F8. Ainda assim, como se trata de algo um tanto novo, pode ser que ainda não haja muita abertura para desenvolvedores externos introduzirem seus produtos ali.

Ou seja, apesar de importante, o Live pode não ser tão interessante assim para a audiência de desenvolvedores. Assim, o recurso deve ficar sob a sombra do Messenger, o qual provavelmente tomará grande parte do evento.

Instant Articles

Os Instant Articles do Facebook já estão sendo liberados para muitos grupos de mídia e publicações individuais pelo mundo. Durante a F8, a empresa pode acabar liberando a plataforma para todo mundo ou pelo menos para todas as empresas do ramo e trazer mais conteúdo para dentro da rede social..

Muitos dizem que manter os textos publicados diretamente em seus sites rende muito mais dinheiro

Contudo, os Instant Articles têm enfrentado críticas sobre a monetização que as empresas podem praticar com seu conteúdo. Há pouco espaço para publicidade, e muitos dizem que manter os textos publicados diretamente em seus sites rende muito mais dinheiro.

Por conta disso, é possível que alguma novidade que possa resolver essa situação acabe sendo mostrada durante o evento.

Dinheiro para desenvolvedores

A F8 deve trazer ainda algumas oportunidades para desenvolvedores ganharem dinheiro no Facebook. Novas formas de monetização podem ser lançadas, o que deve fazer parte do Audience Network, que estende as capacidades de publicidade do Facebook para além da rede social.

Anunciantes devem gastar algo em torno de US$ 53 bilhões com publicidade mobile em 2020

Ao que parece, haverá opções do Facebook para monetizar apps a partir do “Audience Network”. A forma como a empresa distribui anúncios na web também deve ser melhorada, tendo em vista um estudo sobre publicidade mobile, que coloca o Facebook na dianteira desse setor até 2020. Espera-se que, até o ano citado, dois terços da publicidade mobile seja nativa, e anunciantes devem gastar algo em torno de US$ 53 bilhões nesse segmento.

A rede social deve lançar também a possibilidade de desenvolvedores Windows usarem o Audience Network em seus próprios apps.

Realidade virtual

Com o lançamento comercial recente do Oculus Rift, o Facebook pode trazer mais detalhes sobre como têm sido as vendas e a recepção dos consumidores com o novo produto. Já existe uma série de jogos disponíveis para o Rift, mas muitos deles não são tão avançados assim.

A F8 pode ser um bom palco para apresentar novos planos do Facebook para VR, tanto dentro da rede social quanto no próprio Rift. Talvez novos games sejam lançados ou números sobre as primeiras semanas do aparelho com os usuários apareçam para incentivar novos desenvolvedores a criar conteúdo da plataforma.

Mais

Existem outros possíveis planos do Facebook para a F8 que ainda nos parecem muito rasos para detalhar aqui, mas podemos imaginar que Instagram e WhatsApp tenham alguma participação.

O Instagram, por exemplo, tem implementado novas funcionalidades com certa periodicidade, e o evento pode ser uma boa oportunidade para lançar algo novo. O WhatsApp recentemente começou a criptografar conversas ponto a ponto, e uma explicação sobre isso ou alguma possível novidade talvez faça parte da F8.

Fique ligado na cobertura do TecMundo da Facebook F8 para saber quais dessas apostas se concretizam amanhã e depois em San Francisco.

O que seria do Facebook se Mark Zuckerberg não comprasse o WhatsApp? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: