Ontem, o TecMundo noticiou uma série de novidades que chegaram ao mensageiro do Facebook para tornar a comunicação entre pessoas desconhecidas mais simples, com algumas coisas “emprestadas do Snapchat”. Hoje, uma apresentação feita para desenvolvedores parceiros da empresa vazou na web e ficou claro que o Facebook tem planos muito maiores para o Messenger, incluindo a possibilidade de você conversar com robôs muito em breve.

Isso aconteceria por meio de chatbots que poderiam interagir com humanos de uma forma quase natural e bem prática. Seria possível, por exemplo, fazer uma reserva em um restaurante ou hotel pelo mensageiro sem nunca falar com uma pessoa de verdade. Você começaria a conversar com o perfil do estabelecimento no Messenger, e um chatbot responderia suas mensagens mandando informações elaboradas.

Quem sabe você até poderia pagar por produtos e serviços direto do Messenger

Essas informações seriam basicamente cartões com links, imagens e elementos clicáveis para você confirmar ações específicas. Quem sabe você até poderia pagar por produtos e serviços direto do Messenger com seu cartão de crédito. Segundo o TechCrunch, essa novidade seria oficializada na semana que vem durante a Facebook F8, a conferência para desenvolvedores da rede social.

Solução para negócios

Ao que parece, o Facebook pode ser a primeira grande empresa a conseguir uma forma de monetizar um mensageiro extremamente popular. O Messenger já conseguiu 900 milhões de usuários, pouco menos que as 934 milhões de pessoas ativas no próprio Facebook, e agora está se tornando um hub de serviços.

Já é possível pedir um carro do Uber pelo app em alguns lugares e até reservar uma passagem aérea em outros. Isso é possível porque o Facebook trabalhou com algumas empresas para integrar seus sistemas de compras e reservas com o mensageiro via APIs específicas. Agora, esses complementos estarão disponíveis para todo tipo de empresa.

Com isso, o Facebook espera popularizar os chatbots por meio dessas APIs e fazer com que empresas vendam coisas pelo Messenger sem terem que contratar mais pessoas para gerir as redes sociais.

Vender coisas pelo Messenger sem ter que contratar mais pessoas para gerir as redes sociais

Ainda não está claro, mas é muito provável que o Facebook acabe cobrando uma taxa fixa dessas companhias ou valores proporcionais sobre as vendas dentro do app, como um processador de pagamentos. É exatamente isso o que nenhum outro mensageiro popular conseguiu fazer até o momento.

Integração em sites de outras empresas

Outra API que o Facebook deve disponibilizar para negócios no mundo todo é uma que permite integrar o Messenger diretamente nos sites de qualquer empresa. Em vez de colocar formulários para envio de email em suas páginas de contato, companhias interessadas poderão integrar um botão do Messenger em seus sites, o qual abriria uma conversa automática com pessoas reais ou chatbots para tirar as dúvidas e vender coisas aos clientes.

Seria possível, ainda, ver informações sobre quando uma resposta estivesse sendo digitada e quando uma mensagem fosse visualizada, para dar mais agilidade à comunicação com os clientes.

Isso seria bem interessante porque, atualmente, a maioria dos sistemas de chat em tempo real de sites de empresas são bastante ruins e não se adaptam muito bem a smartphones e tablets. O Messenger, por outro lado, é principalmente baseado em plataformas mobile.

A maioria dos sistemas de chat em tempo real de sites de empresas são bastante ruins e não se adaptam muito bem a smartphones e tablets

De qualquer forma, o Facebook parece ter grandes planos para o Messenger, tanto que o mensageiro agora é completamente independente do app da rede social no Android e no iOS. Com a entrada do vídeo ao vivo no app, o Messenger saiu e agora será uma coisa à parte. Fique ligado na cobertura do TecMundo da F8 na semana que vem para saber mais sobre o assunto.

O que seria do Facebook se Mark Zuckerberg não comprasse o WhatsApp? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: