Quando você compra um smartphone, talvez não pense em quão simples e acessível é realizar alguns reparos nele, mas deveria, especialmente se você planeja quebrar o seu porquinho para investir quase US$ 2 mil e comprar um Galaxy Fold.

Uma desmontagem analítica do aparelho apareceu na rede social Weibo e mostrou que consertar o dispositivo não é tarefa das mais simples. E o mais complicado nem chegou a ser a tela principal, dobrável, que pôde ser removida facilmente: a tela externa e a dobradiça são dois dos pontos mais complexos do Fold.

Galaxy FoldGalaxy Fold deve ser difícil de consertar (Fonte: Weibo)

A dobradiça é composta por cinco pequenos mecanismos que parecem delicados e fáceis de serem danificados, o que poderia inutilizar toda a peça e exigir um reparo. Segundo o desmontador que publicou imagens do processo, a parte dobrável exige ser alinhada com altíssima precisão, caso contrário resulta em danos à tela e a outras partes do aparelho.

Já a tela externa quebrou durante a tentativa de remoção, o que deixa a todos uma mensagem bem clara: esse tipo de aparelho ainda é uma novidade e provavelmente apenas as fabricantes dominam a arte de repará-los — e isso deve ser assim por um bom tempo ainda.

E, dado que custa o quanto custa, é natural pensar também que mandar o Galaxy Fold para o conserto não será algo exatamente barato.