“A internet logo acaba”, diriam algumas pessoas logo que as primeiras interações entre os usuários começaram a surgir. Entretanto, o que se vê hoje é exatamente a profecia se tornando uma espécie de verdade. A internet que conhecíamos nos idos de 1996 já não existe mais. Porém, aquele modelo de interação foi indispensável para que surgisse algo completamente repaginado da vida real.

Sempre houve uma linha bastante tênue entre as relações interpessoais no mundo real e aquelas ocorridas no meio virtual – que nada mais são do que representações muito bem reproduzidas no âmbito digital. Isso tudo acontece pela necessidade que a sociedade vem apresentando nas últimas décadas de estar sempre conectada ao que acontece e por consequência, sempre muito informada. Por isso, alguns estudiosos da comunicação e da sociedade chamam o momento em que vivemos de “Era da Informação”.

Chegamos a este momento histórico com muitas dúvidas e incertezas quanto ao que somos no mundo real. Todo esse processo deriva de algo chamado Pós-Modernismo. Aqueles mesmos estudiosos que trataram a informação como principal valor da nossa sociedade também dizem que essas interações pós-modernas são fruto de uma nova compreensão do que é o tempo e também do que é o espaço.

Pode-se entender esta afirmação com o seguinte exemplo: João é um jogador brasileiro de um jogo de MMORPG em que está em contato com outras pessoas de países diferentes. Liam é um rapaz inglês que está inserido no mesmo local em que João está. Contudo, o computador de João continua no Brasil e Liam não saiu da Inglaterra. No entanto, os dois estão convivendo no mesmo tempo e espaço. Assim, consegue-se observar como as coisas acontecem de forma tão instantânea de modo a perder a real grandiosidade que ela teria há alguns anos.

Não é preciso estar ao lado de alguem para interagir!

Uma vez observado esse exemplo você já tem a ideia do que é o ciberespaço. Nele estão os mais diferentes tipos de pessoa, com objetivos comuns ou totalmente avessos. Este ciberespaço pode ser entendido e representado de várias maneiras – da sala de bate-papo até um jogo em 3D ou uma rede social como o Orkut. Como qualquer grupo de pessoas, sempre haverá uma delas que terá algum destaque. E tal qual acontece na vida real, a vontade de se tornar alguém conhecido também é forte neste ambiente.

Este conceito de ciberespaço, cibercultura e qualquer outra reprodução da vida real em contextos virtuais faz com que os meios de expressão na internet ganhem cada vez mais força e assim aumentem o poder e popularidade na rede. Agora chegamos a uma das palavras chave: popularidade.

A popularidade está relacionada ao destaque por alguma característica pessoal!

Quase todo mundo tem algo que pode fazer com que essa pessoa se torne popular – o que muda realmente é a forma com que esse potencial é exibido. Basta observar uma sala de aula em qualquer colégio ou faculdade. Sempre haverá o grupo dos garotos e garotas populares. Normalmente, eles são os mais bonitos e simpáticos, mas o estereótipo que se tem deles é que a genialidade não acompanha tanta simpatia. Já os estudiosos são populares de um ponto visto como inverso pelos “supersimpáticos” – mesmo assim, alguma característica deste grupo é ressaltada e eles passam a ser conhecidos por isso. A mesma coisa acontece na internet. Os vários espaços disponíveis para “conviver” com outras pessoas faz com que as cibercelebridades apareçam também.


Colocar a sua foto na internet já pode ser um meio de tentar ser popular. Vários sites oferecem essa possibilidade. Entretanto, foi no início dos anos 2000 que surge uma ferramenta diferente – um álbum de fotos na internet com direito a escrever mensagens. Eis o Fotolog. O nome fotolog deriva de blog que já é uma forma resultante de web e log, juntas essas palavras traduzidas significam “registro da rede”. Tal qual os blogs, os fotologs se dedicam a registrar momentos, porém, com fotografias.

Hoje, a fotologger Marimoon apresenta o programa ScrapMTV!E foi publicando fotografias que a atual VJ da MTV brasileira, Marimoon alcançou a sua ciberfama. A fotologger já participou de comerciais e agora é apresentadora do programa ScrapMTV!, no qual apresenta dicas e comportamentos na internet – afinal, sem a web quem saberia das fotos da moça de cabelos multicoloridos? Segundo a própria fotologger e VJ, seu primeiro contato com redes sociais que foi o Orkut em 2003. O fotolog de Marimoon também consta como de 2003, ou seja, logo no início das redes sociais virtuais.

Entretanto, depois de seis anos no Orkut, Marimoon enxerga a maior rede social do Brasil com um grande desapontamento. “Eu desisti de orkut, só entro lá de vez em nunca para dar algum aviso em comunidades MariMoon ou acessar alguma comunidade interessante. Uso o Facebook, mas lá eu só adiciono pessoas que eu realmente conheço (se não vira uma bagunça)”, afirma a VJ. De fato existe uma grande migração de usuários do Orkut para o Facebook e outras redes que até pouco tempo eram tidas como populares apenas em países estrangeiros.

A VJ começou com uma página no Fotolog em 2003

A onipresença (estar presente em vários lugares ao mesmo tempo) virtual é vista como desnecessária para Marimoon. Mesmo assim, ela participa de mais redes como “o Myspace, onde eu adiciono todo mundo, mas não leio recados nem mensagens nem escrevo no blog de lá”, diz. Além disso, outro problema que a vida online traz consigo são os perfis falsos. Basta ser popular por qualquer razão que logo os famosos “fakes” já aparecem. Não precisa nem aparecer em fotolog ou televisão. Os casos de ciberbuylling já são tão frequentes quanto os fakes de celebridades.

Mesmo colecionando um verdadeiro exército de perfis falsos feitos por outros usuários, Marimoon decidiu não lutar contra. “Eu desisti de lidar com eles. São muitos. O que eu fiz foi liberar todos e pedir para que se assumam fakes”, conta ela. Ela afirma não ver problemas em “fakes autorizados” ou então “fakes explícitos” – “Só me incomoda fake quando ele insiste em ser a pessoa de verdade. Aí eu denuncio e mando deletar”, explica Marimoon. Outro exemplo citado por ela acontece no MSN Messenger em que o “fake” é mal intencionado com os fãs.

Os fakes prejudicam muito a Internet!


Mas não é só de abusos e ataques a quem já conseguiu o seu destaque que vive a internet. Outras pessoas que hoje têm o seu lugar ao sol, começaram a ser iluminadas apenas pela luz do monitor. Outros tipos de rede social como os blogs, MySpace, YouTube, Twitter  e até mesmo o próprio Orkut já garantiram alguns minutos de fama para muita gente. O blogueiro Edney de Souza é uma dessas pessoas que ficaram conhecidas pela sua influência na web. A fama obtida através da internet tem muito a ver com a empatia e a credibilidade que a pessoa que produz os conteúdos tem com quem as lê. Nesse caso, Edney começou a publicar conteúdos em seu blog, o Interney.net, a respeito de tecnologia e assuntos ligados a este. Foi um sucesso.

O blogueiro Edney Souza já teve milhões de acessos no seu blog

Edney já soma milhões de acessos e hoje, junto com outros profissionais da web, administra uma empresa especializada em fazer a ligação de outras organizações com seus clientes em potencial na web. A música também tem seu espaço no hall da fama cibernético. Jovens cantores e bandas são descobertos com frequência através de ferramentas sociais como o MySpace, que permite inserir músicas em forma de playlist para que o visitante do perfil ouça as músicas e conheça o trabalho deste artista.

A cantora já teve suas músicas em comerciais de televisãoUm exemplo bastante claro de quem começou fazendo músicas para o MySpace e hoje já se apresenta em casas de shows e espetáculos é a jovem cantora Mallu Magalhães. A garota de 17 anos começou a tocar violão aos 12 e recentemente participou da tournée MySpace Music Tour em que alguns dos artistas que tinham seus perfis bem difundidos se apresentariam pelo país.

Além disso, a repercussão em torno das canções divulgadas na rede da garota já renderam uma participação no disco solo de Marcelo Camelo (Los Hermanos) e duas inserções de músicas em comerciais de televisão. Outro fenômeno da música também foi destacado pela internet. Desta vez aconteceu na Inglaterra em um show de calouros. Ninguém daria crédito a uma mulher cuja aparência não era lá muito agradável, naquelas circunstâncias em que os jurados são extremamente rígidos.

Clique aqui para assitir ao vídeo de Susan Boyle

Contudo, Susan Boyle conseguiu quebrar o preconceito quanto à sua aparência com uma voz belíssima que a fez mundialmente famosa através do site de compartilhamento de vídeos YouTube. Não foi só a inglesa Susan que ganhou a fama pelos flash players do YouTube. Um belo dia um rapaz romeno resolveu dançar em frente a webcam enquanto ouvia uma música bastante animada. O vídeo caiu na internet e a música Numa-Numa tornou o bem alimentado rapaz em uma das maiores celebridades da internet.

É com vídeos que a maioria dos usuários ficam famosos na web. Uma vez observado isso, a banda Weezer fez o seu vídeo clipe da música “Pork and Beans” com cibercelebridades que foram sucesso quase instantâneo na rede. Os experimentos com refrigerante de cola e balas de menta, o “afroninja”, Tay Zonday e uma série de outras figuras destacadas pela internet fazem parte do clipe da banda. Clique aqui ou na imagem para assistir ao vídeo.

Clique aqui para assistir ao vídeo do Weezer!

A música é um dos principais atrativos para ficar famoso na web. Entretanto, desta vez foi em um show que Katilce Miranda alcançou a fama na internet. Tudo aconteceu quando a moça, apaixonada pela banda U2 que se apresentava no Brasil, foi convidada a subir no palco junto com o vocalista Bono Vox. Depois de algum tempo, Katilce decide beijar Bono e em pouco tempo sua página de recados no Orkut já ultrapassava a marca de 1 milhão de mensagens.

O Twitter é o espaço em que famosos e o público se encontram sem barreiras!Com a chegada de um novo tipo de mídia social, as fronteiras entre quem já era famoso e quem estava em vias de ficar conhecido acabaram por se tornar ainda mais estreitas. Antes, qualquer um de nós, pobres mortais, nunca sonharíamos em enviar uma mensagem direta para as estrelas da televisão. Entretanto, o Twitter conseguiu fazer com que as barreiras fiquem ainda mais curtas. Porém, nem toda celebridade está acostumada a lidar diretamente com o público.

Um caso bastante recente aconteceu com a apresentadora Xuxa Meneghel, que começou a sua vida no Twitter ainda em agosto de 2009 e já percebeu que para conquistar o usuário que já estava na rede é preciso de muito mais do que apenas ser famosa pela televisão. As principais reclamações de quem seguia a Rainha dos Baixinhos estavam relacionadas ao jeito com que ela postava suas mensagens, sempre em caixa alta.

Contudo, o grande problema aconteceu quando a filha da apresentadora, Sasha Meneghel, decidiu escrever algumas mensagens no perfil da mãe. A menina falava sobre uma cena que estava gravando para o filme que estrela ao lado de Xuxa, porém, em vez de utilizar a grafia correta de “cena”, com a letra “c”, Sasha cometeu um equívoco e enviou a mensagem dizendo que estava gravando uma “sena”.

O relacionamento da apresentadora com os twitteiros ficou um tanto abalado.

Ao notar o erro, diversos usuários que seguiam o perfil de Xuxa começaram a enviar respostas com palavrões e tom debochado. Quando a apresentadora viu as respostas tratou de defender a filha imediatamente, dizendo que ela havia sido alfabetizada em inglês e que isso justificaria o erro. Independente de quem agiu errado primeiro, a apresentadora não voltou a inserir mensagens no seu perfil desde então.

Outro exemplo, porém positivo, de interação no Twitter é o caso do usuário @ocriador que já possui mais de 44 mil seguidores e envia e responde mensagens de maneira irônica como se fosse “Deus” utilizando o Twitter. Outros exemplos de twitteiros nacionais que são seguidos por multidões são os apresentadores e repórteres do programa CQC, Marcelo Tas (@marcelotas), Rafinha Bastos (@rafinhabastos), Danilo Getilli (@danilogentilli) e outros.

Viver online pode causar alguns problemas

Ser popular também acarreta problemas. Ao tornar-se uma figura pública, estamos sujeitos a quaisquer tipos de contato, agressão de qualquer parte. Quando se expõe boa parte da sua vida na rede, a proximidade que ela atrai faz com que muita gente que nunca se viu antes comece a querer ficar mais próximo. Isso pode acontecer de modo positivo, sem forçar nada. Mas, infelizmente, o que se vê com muita frequência são os casos em que os usuários acabam forçando uma intimidade que não existe.

Marimoon usa um exemplo bem explícito para ilustrar este problema. Recentemente, as cantoras norte-americanas Rihanna e Vanessa Hudgens tiveram autorretratos publicados sem a devida autorização. Quando isso acontece fica difícil manter as coisas em ordem. “A coisa foge do nosso controle porque há muita gente mal intencionada e sem respeito no mundo e essas pessoas usam internet”, conta a VJ. Ela ainda diz que é importante “ficar esperto e pensar muito bem antes de publicar um texto ou foto, porque isso não só pode se visto por qualquer pessoa mesmo como provavelmente nunca será totalmente deletado”, mesmo nunca tendo sofrido com este tipo de assédio.

É importante tomar cuidado com o que se publica na web

Viver online é quase tão importante quanto realizar ações no mundo de verdade para alguns jovens. Às vezes essas interações online acabam sendo mais valorizadas do que as próprias interações reais. “Acho que os jovens estão perdendo muito tempo sentados na frente de um computador. As redes sociais nasceram para aproximar pessoas distantes ou aquelas que você tinha perdido contato”, defende Marimoon.

"A internet pode ser legal, mas requer muita disciplina"

A representação no ciberespaço é tão forte que muitos jovens deixam de sair de casa para se concentrarem em atividades em grupo via internet. Isso pode ser positivo até um certo ponto, porém é preciso tomar alguns cuidados. “Acho que a internet pode ser legal, mas requer muita disciplina, algo que normalmente as pessoas não têm. Eu mesma me disciplinei muito nos últimos anos e tenho certeza que tem a ver com a minha idade”, diz a apresentadora do ScrapMTV!.

Uma das recomendações feitas por Marimoon ao público da internet é que procurem passar menos tempo em frente ao computador e assim passar mais tempo interagindo de verdade com as outras pessoas. Por isso, é muito importante lembrar que para ser popular na internet primeiro é preciso ter uma boa rede de contatos fora dela, para que assim você consiga interagir tanto real quanto virtualmente.

Ficou curioso para saber a opinião da Marimoon sobre a internet? Confira a entrevista na íntegra!

BAIXAKI - Qual foi a primeira rede social que você participou?
Marimoon - Acho que foi o Orkut em 2003.

BXK - Com o sucesso do seu fotolog você foi modelo de uma campanha publicitária da Melissa e foi convidada pela MTV para trabalhar no programa Scrap MTV! Como foi essa trajetória?

MM - Meu fotolog era top desde o começo. Lembro de estar sempre na lista do TOP 5 de  fotologs mais visitados de todos os tempos e do dia, junto com a Lovefoxxx, que na época também era fotologger. Com isso apareceu o interesse da mídia pelo pessoal que estava colocando suas fotos online e me entrevistavam bastante. Fui entrevistada por portais, jornais, revistas e televisão. Em 2006 fui capa da revista Capricho falando justamente sobre isso, já que o sucesso do fotolog continuava. A (marca) Melissa estava interessada em fazer uma campanha chamada “Create Yourself” usando 4 meninas diferentes, de estados diferentes, que atuassem como embaixadoras da marca e tivessem cada uma um blog dentro do site da marca. Fui garota-propaganda da campanha justamente por isso. A MTV já me conhecia antes disso, quando eu fiz o Vidalog, um programa que eram tipo blogs na TV e me chamaram para fazer teste de VJ no segundo semestre de 2007.

BXK - Que redes sociais você participa?

MM - Eu desisti de Orkut, só entro lá de vez em nunca para dar algum aviso em comunidades MariMoon ou acessar alguma comunidade interessante. Uso o Facebook, mas lá eu só adiciono pessoas que eu realmente conheço. Tenho Myspace, onde eu adiciono todo mundo, mas não leio recados nem mensagens nem escrevo no blog de lá. Honestamente acho que participar de mais de uma rede é bobagem, melhor participar de uma rede só, né?

BXK - Como você lida com os perfis falsos e contra você?

MM - Eu desisti de lidar com eles. São muitos. O que eu fiz foi liberar todos e pedir para que se assumam fakes. Não vejo problema nesse caso. Só me incomoda fake quando ele insiste em ser a pessoa de verdade. Aí eu denuncio e mando deletar, mas tipo.. Orkut é complicado, tenta procurar marimoon em usuários. É muita MariMoon! Mas por exemplo, existe uma falsa MariMoon no MSN que parece que é bem mal intencionada com os meus fãs. O máximo que eu posso fazer é avisar que eu só uso minha conta pra falar com a minha família e amigos.

BXK - Até que ponto você acha positivo expor sua vida pessoal na internet? Você já teve problemas com isso?

MM - Nós somos as primeiras gerações de internautas e infelizmente estamos sofrendo pra aprender como agir. A coisa foge do nosso controle porque há muita gente mal intencionada e sem respeito no mundo e essas pessoas usam internet. É bom ficar esperto e pensar muito bem antes de publicar um texto ou foto, isso não só pode se visto por qualquer pessoa mesmo como provavelmente nunca será totalmente deletado. Nunca tive problemas, mas vejo menores de idade experimentando sua sexualidade com fotos de calcinha e publicando isso nos fotologs ou usando webcam sem saber que aquilo pra estar no Google Images é dois palitos.

BXK - Como você vê a influência das redes sociais na vida dos jovens?

MM - Acho que os jovens estão perdendo muito tempo sentados na frente de um computador. As redes sociais nasceram pra te aproximar de pessoas distantes ou que você tinha perdido contato. Mas hoje elas te oferecem infinitos joguinhos online e são usadas pra xeretar vida do namorado. Vejo adolescentes deixando de sair à tarde com os amigos pra se encontrar via internet. Acho que a internet pode ser legal, mas requer muita disciplina, algo que normalmente as pessoas não têm. Eu mesma me disciplinei muito nos últimos anos e tenho certeza que tem a ver com a minha idade. Recomendo a todos que fiquem menos tempo sentados em seus computadores e dediquem mais horas da semana com seus amigos e família pessoalmente.

E você? Conhece alguém famoso na internet? Ou será que você será a próxima estrela dos teclados? Conte para gente no seu comentário quais são as suas opiniões sobre a fama alcançada pela Web! Afinal de contas, nunca se sabe quem será o próximo a ficar famoso em um espaço tão frenético!

Fique ligado para mais reportagens do Baixaki!

Até a próxima!

“A internet logo acaba”, diriam algumas pessoas logo que as primeiras interações entre os usuários começaram a surgir. Entretanto, o que se vê hoje é exatamente a profecia se tornando uma espécie de verdade. A internet que conhecíamos nos idos de 1996 já não existe mais. Porém, aquele modelo de interação foi indispensável para que surgisse algo completamente repaginado da vida real.

Sempre houve uma linha bastante tênue entre as relações interpessoais no mundo real e aquelas ocorridas no meio virtual – que nada mais são do que representações muito bem reproduzidas no âmbito digital. Isso tudo acontece pela necessidade que a sociedade vem apresentando nas últimas décadas de estar sempre conectada ao que acontece e por consequência, sempre muito informada. Por isso, alguns estudiosos da comunicação e da sociedade chamam o momento em que vivemos de “Era da Informação”.

Chegamos a este momento histórico com muitas dúvidas e incertezas quanto ao que somos no mundo real. Todo esse processo deriva de algo chamado Pós-Modernismo. Aqueles mesmos estudiosos que trataram a informação como principal valor da nossa sociedade também dizem que essas interações pós-modernas são fruto de uma nova compreensão do que é o tempo e também do que é o espaço.

Entendendo o conceito

Pode-se entender esta afirmação com o seguinte exemplo: João é um jogador brasileiro de um jogo de MMORPG em que está em contato com outras pessoas de países diferentes. Liam é um rapaz inglês que está inserido no mesmo local em que João está. Contudo, o computador de João continua no Brasil e Liam não saiu da Inglaterra. No entanto, os dois estão convivendo no mesmo tempo e espaço. Assim, consegue-se observar como as coisas acontecem de forma tão instantânea de modo a perder a real grandiosidade que ela teria há alguns anos.

Uma vez observado esse exemplo você já tem a ideia do que é o ciberespaço. Nele estão os mais diferentes tipos de pessoa, com objetivos comuns ou totalmente avessos. Este ciberespaço pode ser entendido e representado de várias maneiras – da sala de bate-papo até um jogo em 3D ou uma rede social como o Orkut. Como qualquer grupo de pessoas, sempre haverá uma delas que terá algum destaque. E tal qual acontece na vida real, a vontade de se tornar alguém conhecido também é forte neste ambiente.

Este conceito de ciberespaço, cibercultura e qualquer outra reprodução da vida real em contextos virtuais faz com que os meios de expressão na internet ganhem cada vez mais força e assim aumentem o poder e popularidade na rede. Agora chegamos a uma das palavras chave: popularidade. O que faz alguém ser popular?

Quase todo mundo tem algo que pode fazer com que essa pessoa se torne popular – o que muda realmente é a forma com que esse potencial é exibido. Basta observar uma sala de aula em qualquer colégio ou faculdade. Sempre haverá o grupo dos garotos e garotas populares. Normalmente eles são os mais bonitos e simpáticos, mas o estereótipo que se tem deles é que a genialidade não acompanha tanta simpatia. Já os estudiosos são populares de um ponto visto como inverso pelos “supersimpáticos” – mesmo assim, alguma característica deste grupo é ressaltada e eles passam a ser conhecidos por isso. A mesma coisa acontece na internet. Os vários espaços disponíveis para “conviver” com outras pessoas faz com que as cibercelebridades apareçam também.

Colocar a sua foto na internet já pode ser um meio de tentar ser popular. Vários sites oferecem essa possibilidade. Entretanto, foi no início dos anos 2000 que surge uma ferramenta diferente – um álbum de fotos na internet com direito a escrever mensagens. Eis o Fotolog. O nome fotolog deriva de blog que já é uma forma resultante de web e log, juntas essas palavras traduzidas significam “registro da rede”. Tal qual os blogs, os fotologs se dedicam a registrar momentos, porém, com fotografias.

Das fotos às telas

E foi publicando fotografias que a atual VJ da MTV brasileira, Marimoon alcançou a sua ciberfama. A fotologger já participou de comerciais e agora é apresentadora do programa ScrapMTV!, no qual apresenta dicas e comportamentos na internet – afinal, sem a web quem saberia das fotos da moça de cabelos multicoloridos? Segundo a própria fotologger e VJ, seu primeiro contato com redes sociais que foi o Orkut em 2003. O fotolog de Marimoon também consta como de 2003, ou seja, logo no início das redes sociais virtuais.

Entretanto, depois de seis anos no Orkut, Marimoon enxerga a maior rede social do Brasil com um grande desapontamento. “Eu desisti de orkut, só entro lá de vez em nunca para dar algum aviso em comunidades MariMoon ou acessar alguma comunidade interessante. Uso o Facebook, mas lá eu só adiciono pessoas que eu realmente conheço (se não vira uma bagunça)”, afirma a VJ. De fato existe uma grande migração de usuários do Orkut para o Facebook e outras redes que até pouco tempo eram tidas como populares apenas em países estrangeiros.

A onipresença (estar presente em vários lugares ao mesmo tempo) virtual é vista como desnecessária para Marimoon. Mesmo assim, ela participa de mais redes como “o Myspace, onde eu adiciono todo mundo, mas não leio recados nem mensagens nem escrevo no blog de lá”, diz. Além disso, outro problema que a vida online traz consigo são os perfis falsos. Basta ser popular por qualquer razão que logo os famosos “fakes” já aparecem. Não precisa nem aparecer em fotolog ou televisão. Os casos de ciberbuylling já são tão frequentes quanto os fakes de celebridades.

Mesmo colecionando um verdadeiro exército de perfis falsos feitos por outros usuários, Marimoon decidiu não lutar contra. “Eu desisti de lidar com eles. São muitos. O que eu fiz foi liberar todos e pedir para que se assumam fakes”, conta ela. Ela afirma não ver problemas em “fakes autorizados” ou então “fakes explícitos” – “Só me incomoda fake quando ele insiste em ser a pessoa de verdade. Aí eu denuncio e mando deletar”, explica Marimoon. Outro exemplo citado por ela acontece no MSN Messenger em que o “fake” é mal intencionado com os fãs.

Mas não é só de abusos e ataques a quem já conseguiu o seu destaque que vive a internet. Outras pessoas que hoje têm o seu lugar ao sol, começaram a ser iluminadas apenas pela luz do monitor. Outros tipos de rede social como os blogs, MySpace, YouTube, Twitter  e até mesmo o próprio Orkut já garantiram alguns minutos de fama para muita gente. O blogueiro Edney de Souza é uma dessas pessoas que ficaram conhecidas pela sua influência na web. A fama obtida através da internet tem muito a ver com a empatia e a credibilidade que a pessoa que produz os conteúdos tem com quem as lê. Nesse caso, Edney começou a publicar conteúdos em seu blog, o Interney.net, a respeito de tecnologia e assuntos ligados a este. Foi um sucesso.

Edney já soma milhões de acessos e hoje, junto com outros profissionais da web, administra uma empresa especializada em fazer a ligação de outras organizações com seus clientes em potencial na web. A música também tem seu espaço no hall da fama cibernético. Jovens cantores e bandas são descobertos com frequência através de ferramentas sociais como o MySpace, que permite inserir músicas em forma de playlist para que o visitante do perfil ouça as músicas e conheça o trabalho deste artista.

Cada um tem seu espaço para divulgar

Um exemplo bastante claro de quem começou fazendo músicas para o MySpace e hoje já se apresenta em casas de shows e espetáculos é a jovem cantora Mallu Magalhães. A garota de 17 anos começou a tocar violão aos 12 e recentemente participou da tournée MySpace Music Tour em que alguns dos artistas que tinham seus perfis bem difundidos se apresentariam pelo país.

Além disso a repercussão em torno das canções divulgadas na rede da garota já renderam uma participação no disco solo de Marcelo Camelo (Los Hermanos) e duas inserções de músicas em comerciais de televisão. Outro fenômeno da música também foi destacado pela internet. Desta vez aconteceu na Inglaterra em um show de calouros. Ninguém daria crédito à uma mulher cuja aparência não era lá muito agradável, naquelas circunstâncias em que os jurados são extremamente rígidos.

Contudo, Susan Boyle conseguiu quebrar o preconceito quanto à sua aparência com uma voz belíssima que a fez mundialmente famosa através do site de compartilhamento de vídeos YouTube. Não foi só a inglesa Susan que ganhou a fama pelos flash players do YouTube. Um belo dia um rapaz romeno resolveu dançar em frente a webcam enquanto ouvia uma música bastante animada. O vídeo caiu na internet e a música Numa-Numa tornou o bem alimentado rapaz em uma das maiores celebridades da internet.

É com vídeos que a maioria dos usuários ficam famosos na web. Uma vez observado isso, a banda Weezer fez o seu vídeo clipe da música “Pork and Beans” com cibercelebridades que foram sucesso quase instantâneo na rede. Os experimentos com refrigerante de cola e balas de menta, o “afroninja”, Tay Zonday e uma série de outras figuras destacadas pela internet fazem parte do clipe da banda. Clique aqui ou na imagem para assistir ao vídeo.

A música é um dos principais atrativos para ficar famoso na web. Entretanto, desta vez foi em um show que Katilce Miranda alcançou a fama na internet. Tudo aconteceu quando a moça, apaixonada pela banda U2 que se apresentava no Brasil, foi convidada a subir no palco junto com o vocalista Bono Vox. Depois de algum tempo, Katilce decide beijar Bono e em pouco tempo sua página de recados no Orkut já ultrapassava a marca de 1 milhão de mensagens.

Todo mundo tem seus 140 caracteres de fama

Com a chegada de um novo tipo de mídia social digital, as fronteiras entre quem já era famoso e quem estava em vias de ficar conhecido acabaram por se tornar ainda mais estreitas. Antes, qualquer um de nós, pobres mortais, nunca sonharíamos em enviar uma mensagem direta para as estrelas da televisão. Entretanto, o Twitter conseguiu fazer com que as barreiras fiquem ainda mais curtas. Porém, nem toda celebridade está acostumada a lidar diretamente com o público.

Um caso bastante recente aconteceu com a apresentadora Xuxa Meneghel, que começou a sua vida no Twitter ainda em agosto de 2009 e já percebeu que para conquistar o usuário que já estava na rede é preciso de muito mais do que apenas ser famosa pela televisão. As principais reclamações de quem seguia a Rainha dos Baixinhos estavam relacionadas ao jeito com que ela postava suas mensagens, sempre em caixa alta.

Contudo, o grande problema aconteceu quando a filha da apresentadora, Sasha Meneghel, decidiu escrever algumas mensagens no perfil da mãe. A menina falava sobre uma cena que estava gravando para o filme que estrela ao lado de Xuxa, porém, em vez de utilizar a grafia correta de “cena”, com a letra “c”, Sasha cometeu um equívoco e enviou a mensagem dizendo que estava gravando uma “sena”.

Ao notar o erro, diversos usuários que seguiam o perfil de Xuxa começaram a enviar respostas com palavrões e tom debochado. Quando a apresentadora viu as respostas tratou de defender a filha imediatamente, dizendo que ela havia sido alfabetizada em inglês e que isso justificaria o erro. Independente de quem agiu errado primeiro, a apresentadora não voltou a inserir mensagens no seu perfil desde então.

Outro exemplo, porém positivo, de interação no Twitter é o caso do usuário @ocriador que já possui mais de 44 mil seguidores e envia e responde mensagens de maneira irônica como se fosse “Deus” utilizando o Twitter. Outros exemplos de twitteiros nacionais que são seguidos por multidões são os apresentadores e repórteres do programa CQC, Marcelo Tas (@marcelotas), Rafinha Bastos (@rafinhabastos), Danilo Getilli (@danilogentilli) e outros.

Quando a popularidade pode atrapalhar

Ser popular também acarreta problemas. Ao tornar-se uma figura pública, estamos sujeitos a quaisquer tipo de contato, agressão (verbal ou até mesmo física) de qualquer parte. Quando se expõe boa parte da sua vida na rede, a proximidade que ela atrai faz com que muita gente que nunca se viu antes comece a querer ficar mais próximo. Isso pode acontecer de modo positivo, sem forçar nada. Mas, infelizmente, o que se vê com muita frequência são os casos em que os usuários acabam forçando uma intimidade que não existe.

Marimoon usa um exemplo bem explícito para ilustrar este problema. Recentemente, as cantoras norte-americanas Rihanna e Vanessa Hudgens tiveram auto-retratos publicados sem a devida autorização. Quando isso acontece fica difícil manter as coisas em ordem. “A coisa foge do nosso controle porque há muita gente mal intencionada e sem respeito no mundo e essas pessoas usam internet”, conta a VJ. Ela ainda diz que é importante “ficar esperto e pensar muito bem antes de publicar um texto ou foto, porque isso não só pode se visto por qualquer pessoa mesmo como provavelmente nunca será totalmente deletado”, mesmo nunca tendo sofrido com este tipo de assédio.

Viver online é quase tão importante quanto realizar ações no mundo de verdade para alguns jovens. Às vezes essas interações online acabam sendo mais valorizadas do que as próprias interações reais. “Acho que os jovens estão perdendo muito tempo sentados na frente de um computador. As redes sociais nasceram para aproximar pessoas distantes ou aquelas que você tinha perdido contato”, defende Marimoon.

A representação no ciberespaço é tão forte que muitos jovens deixam de sair de casa para se concentrarem em atividades em grupo via internet. Isso pode ser positivo até um certo ponto, porém é preciso tomar alguns cuidados. “Acho que a internet pode ser legal, mas requer muita disciplina, algo que normalmente as pessoas não tem. Eu mesma me disciplinei muito nos últimos anos e tenho certeza que tem a ver com a minha idade”, diz a apresentadora do ScrapMTV!.

Uma das recomendações feitas por Marimoon ao público da internet é que procurem passar menos tempo em frente ao computador e assim passar mais tempo interagindo de verdade com as outras pessoas. Por isso, é muito importante lembrar que para ser popular na internet primeiro é preciso ter uma boa rede de contatos fora dela, para que assim você consiga interagir tanto real quanto virtualmente.

E você? Conhece alguém famoso na internet? Ou será que você será a próxima estrela dos teclados? Conte para gente no seu comentário quais são as suas opiniões sobre a fama alcançada pela Web! Afinal de contas, nunca se sabe quem será o próximo a ficar famoso em um espaço tão frenético!

Fique ligado para mais reportagens do Baixaki!

Até a próxima!

Cupons de desconto TecMundo: