Se você é daqueles que pensam que o sensor cardíaco presente na maioria dos smartwatches é apenas um desperdício de energia, saiba que um caso curioso vai fazer você mudar de ideia. De acordo com o jornal Southport Visiter, a estudante Sarah-Jayne McIntosh, de 18 anos, teria sobrevivido a um possível problema cardíaco fatal – tudo porque o Fitbit Surge usado por ela acusou um salto em seus batimentos, que foram de 84 para 210 bpm sem motivos.

O estranho caso teria ocorrido enquanto Sarah-Jayne estava estudando para uma prova, em seu dormitório na universidade de Edge Hill. Ao notar a mudança drástica em seus sinais vitais, a garota teria chamado uma ambulância que a atendeu prontamente; quando examinada, por sua vez, foi descoberto que a estudante possuía um problema cardíaco nunca antes detectado, e que qualquer demora em chamar ajuda poderia ter sido fatal.

Acima, o registro de batimentos feito pelo Fitbit de Sarah-Jayne durante o dia do acidente.

“Os doutores falaram que se eu não tivesse ligado para uma ambulância naquela hora e se eu não estivesse usando meu Fitbit para monitorar meus batimentos cardíacos, eu poderia ter sofrido um ataque/parada cardíaca e poderia ter morrido”, contou Sarah-Jayne.

Depois de passar por uma situação dessas, a garota também faz questão de recomendar o aparelho para todos que puderem ter um. “Eu perdi um monte de peso para melhorar minha saúde, e comprei o Fitbit para monitorar minha saúde em geral. Eu sinto como se todo o mundo devesse investir em um, já que você não pode por um preço na vida”, disse ela.

Sarah-Jayne, depois de sobreviver à falha em seu coração.

Vale notar que, curiosamente, o caso surgiu pouco depois de a empresa receber um enorme processo devido ao seu sensor cardíaco, que não seria preciso o suficiente. Embora a experiência de Sarah-Jayne não desmereça as acusações, ao menos elas mostram que, em alguns casos, o aparelho pode sim ser bastante útil.

Você acha que os smartwatches realmente nos ajudam a monitorar a saúde? Comente no Fórum do TecMundo