Você sabe o que a Disneyland, as forças militares norte-americanas e os policiais da cidade de Anahein, nos EUA, têm em comum? A resposta, por incrível que pareça, é que o contato com qualquer um dos três pode resultar na invasão da sua privacidade por meio do monitoramento das comunicações do seu smartphone.

Documentos revelados recentemente pela American Civil Liberties Union (ACLU) da Califórnia indicam que, ao longo dos últimos anos, a polícia do município de Anahein – onde o parque de diversões da Disney está localizado – está utilizando um dispositivo invasivo de espionagem de celulares. Conhecido como “Dirtbox”, o aparelho é uma tecnologia de nível militar que já foi descrito como um “Stingray que recebeu esteroides”.

Esse tipo de aparelho consegue se passar por uma torre de celular e, dessa forma, é capaz de obter a localização de aparelhos em sua área de alcance e de interceptar chamadas e mensagens de texto. Além de ser mais poderoso que os Stingrays, o Dirtbox pode ser utilizado diretamente a partir de pequenos aviões, aumentando consideravelmente a quantidade de pessoas afetadas pelo monitoramento.

Múltiplas vítimas

Segundo informações do site Reveal, um dispositivo DRTBox é capaz de “simultaneamente quebrar a encriptação das comunicações de centenas de pessoas de uma vez só”. De acordo com a página, um pedido de compra de 2011 feito por uma das divisões do Pentágono teria revelado que esses dispositivos são capazes de recuperar as chaves de encriptação de sessões de um celular em menos de 1 segundo com até 75% de sucesso.

Além dos policiais de Anahein, várias agências de manutenção da lei dos Estados Unidos são conhecidas por usar esse tipo de aparelho, incluindo o FBI, a Alfândega, o DEA e a patrulha de fronteira, entre muitas outras. “Se uma cidade com apenas algumas centenas de milhares [de habitantes] tem esse tipo de arsenal, isso levanta questões sobre quais municípios similares dos EUA também podem os ter”, afirma o advogado da ACLU, Matt Cagle.

De acordo com um pedido de fundos feito pela polícia de Anahein, “várias cidades de Orange County [uma região da Califórnia] se beneficiaram do dispositivo DRT”, o que significa que o alcance da ferramenta de espionagem é grande o bastante para alcançar outros municípios. Por extensão, isso permite presumir que os milhões de turistas que passam pela Disneyland cotidianamente também podem ter sido vítimas da invasão de privacidade.

Quem vigia os vigilantes?

Há pouco tempo, o governo da Califórnia aprovou uma lei que requer que a polícia esteja em posse de mandados antes de usar Dirtboxes, Stingrays ou qualquer outra ferramenta de monitoramento eletrônico. No entanto, essa determinação só entrou em vigor a partir do dia 1º de janeiro de 2016, e não está claro se a polícia de Anahein esperava por mandados para utilizar o aparelho antes disso.

Em um email enviado ao Ars Technica, o representante do FBI Christopher Allen afirmou não poder comentar as técnicas ou ferramentas investigativas que podem ter sido usadas em casos específicos, mas garantiu que tudo foi feito conforme as leis vigentes na época. Dessa forma, você pode ficar mais tranquilo da próxima vez que for à Disneyland – contanto que você não faça nada para parecer suspeito, é claro.

O que você achou do uso de ferramentas de monitoramento de celulares pelos policiais da cidade norte-americana onde fica a Disneyland? Comente no Fórum do TecMundo