O WikiLeaks exige explicações por parte da Google devido ao fornecimento de informações sigilosas de três de seus membros à Agência Federal de Investigação dos EUA (FBI). De acordo com a organização, a “Gigante das Buscas” informou não apenas mensagens trocadas entre o trio à agência; endereços de IP foram também listados aos investigadores estadunidenses.

Em carta aberta publicada nesta segunda-feira (26), o WikiLeaks solicita a Eric Schmidt, presidente da Google, satisfações quanto à prestação de contas feita ao FBI. Os emails e IPs teriam sido fornecidos à agência dos EUA em março de 2012, mas o Wikileaks foi notificado sobre a ação somente em dezembro do ano passado.

De acordo com o órgão, a Google poderia ter informado os executivos investigados logo após o envio das informações ao FBI, uma vez que alternativas ligadas à “privacidade, à associação e à liberdade quanto a investigações ilegais” poderiam ter sido analisadas. Outra das provocações feitas pelo WikiLeaks diz respeito à postura da Google, que poderia ter se colocado contra o pedido feito pelo Departamento de Justiça.

As investigações contra o WikiLeaks começaram em 2010 após a publicação de milhares de documentos confidenciais sobre o governo dos EUA, tais como dados de comunicações entre baixadas e registros secretos das guerras entre Iraque e Afeganistão. Para a Justiça, a Lei de Espionagem foi violada pelo órgão; segundo Julian Assange, fundador do WikiLeaks, os mandados de busca são parte de uma tentativa de “conspiração” contra a equipe.

Cupons de desconto TecMundo: