Foi dada a largada para a Campus Party 2016. Até o próximo domingo (31), milhares de fãs de empreendedorismo, inovação e cultura digital se juntarão no Centro de Exposições do Anhembi, em São Paulo para prestigiar um dos maiores encontros de tecnologia do mundo.

A feira, que completou nove anos no Brasil, comemora a data com o tema "Feel the Future" (Sinta o Futuro, em tradução livre), que tem como seu objetivo inspirar e preparar o público para os grandes desafios e mudanças que a humanidade vai enfrentar daqui para frente.

Durante a coletiva de abertura, na manhã desta terça-feira, Paco Ragageles, CEO e cofundador da Campus Party anunciou que o tema do evento em 2016 foi pensado após a publicação de diversos estudos que indicam que em um futuro próximo vários empregos que conhecemos hoje deixarão de existir.

Paco Ragageles, CEO e cofundador da Campus Party

"As mudanças serão tão grandes que devemos começar a pensar em uma sociedade sem empregos. Quase tudo será feito por máquinas. Stephen Hawking já afirmou que daqui uns 100 anos a inteligência artificial vai ultrapassar a humana. Por isso, criamos o tema 'Feel the Future', devemos dar início a uma nova forma de civilização desde já", afirmou o CEO.

CP em números

A Campus Party está sendo realizada no Centro de Exposições do Anhembi e ocupa uma área de 77,7 mil metros quadrados.  Cerca de oito mil campuseiros de todo o país estão chegando em São Paulo para aproveitar os seis dias da feira. A organização do evento espera que mais de 120 mil visitantes passem pelo espaço até domingo.

Internet? Claro que tem! O fornecedor do serviço desta vez é a Telebras. A companhia disponibilizou uma conexão com velocidade de 40 GBps para todos que quiserem ligar suas máquinas aos cabos de rede espalhados por todo o pavilhão.

A Lei Rouanet

Para quem não sabe, a Campus Party sempre contou com uma forcinha da Lei Rouanet. Entretanto, este ano esse benefício foi negado aos organizadores, o que acarretou alguns problemas. Sendo assim, a diretoria do evento publicou uma carta aberta ao Ministério da Cultura.

No documento, Francesco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party, afirma que o Ministério alegou que o incentivo foi negado por conta de o evento se tratar de uma feira de "tecnologia".  Ele indaga que negar a cultura digital não é só negar o presente, mas, é também, excluir o futuro. Leia abaixo a carta na íntegra:

CARTA ABERTA AO MINISTRO DA CULTURA

Prezado Ministro da Cultura,

Sr. Juca Ferreira

Ao contrário do ocorrido em anos anteriores, o Ministério da Cultura negou o incentivo da Lei Rouanet à Campus Party. A motivação, expressada por altos funcionários do Ministério, foi de que a Campus Party é um evento de “tecnologia”. Gostaria de expressar aqui alguns conceitos para evitar esse mal entendido.

Negar incentivo à cultura digital não sé é negar o presente, é excluir do futuro milhões de jovens de todo o Brasil.

Entender que cultura é só música erudita, música folclórica e livros, além de injusto, é ter uma visão conservadora da cultura.

Os criadores de vídeo e arte digitais, designers, músicos digitais, criadores de jogos, blogueiros, modding, e tantos outros são expressões de arte e cultura atual.

Pensar que cultura é só pintura e não o modding, que cultura é só o cinema e não os vídeos independentes, que os e-books não são literatura, é uma visão arcaica e limitada.

Não se pode alegar ignorância, já que desde que a Campus Party existe, os Ministros da Cultura sempre estiveram presentes, desde Gilberto Gil, Marta Suplicy e você mesmo, Sr. Ministro.

http://www.cultura.gov.br/banner-2/-/asset_publisher/0u320bDyUU6Y/content/cultura- do-seculo-21-tem-muito-a-ver-com-a-campus-party-diz-ministro/10883

https://www.youtube.com/watch?v=BnLcCztCGaI 

Não entendemos a incoerência do Ministério que nega o benefício da lei de incentivo ao maior acontecimento que existe no mundo nesse âmbito, que é a Campus Party, sendo a de São Paulo a maior edição dentre todos os países onde o evento opera.

No Ministério da Cultura talvez desconheçam que hoje a cultura digital tira dezenas de milhares de jovens do narcotráfico, dando oportunidades àqueles excluídos das universidades e até escolas. Eles hoje encontram a oportunidade de expressar-se com os FabLabs, que distintos prefeitos estão instalando nas periferias das mais importantes cidades brasileiras, gerando a maior revolução cultural que se possa imaginar.

Negar a cultura digital é como pensar que só se pode comunicar com jornais e não com um blog, que só existe o desenho pintado e não em 3D.

Obter a lei de incentivo não significa nenhum presente. Se é aplicada e utilizada como se deve, há ainda que convencer empresas de que o projeto é interessante. No Ministério da Cultura sabem que negar a lei de incentivo é, na prática, excluir as grandes empresas do Estado dos potenciais patrocinadores, já que elas estão obrigadas a participar, em primeira instância, por meio da Lei Rouanet. Negar esse incentivo em um momento de crise significa comprometer muitas iniciativas digitais. Subestimar as comunidades de cultura digital não é apenas injusto, é um grande erro político.

Tomo a liberdade de informar ao Sr. Ministro que está em curso uma mudança de paradigma cultural: é a primeira vez na história da humanidade que os filhos ensinam aos pais.

Considerar que o encontro de dezenas de milhares de jovens inteligentes, ativos, empreendededores que se movem em torno da cultura digital é uma atividade de tecnologia, é como pensar que um encontro de pintores é uma atividade relativa a pincéis e pinturas.

Hoje a tecnologia digital é transversal a todas as atividades humanas. Negá-la como eixo cultural é como negar a evolução da humanidade.

Não pouparemos esforços para demonstrar ao Ministério da Cultura que está equivocado, sobretudo quando discrimina a cultura digital.

Com o critério atualmente vigente no Ministério da Cultura, ficaríamos presos ao significado etimológico da palavra cultura, que se referia a cuidar das plantas e do gado, e não a cuidar do espírito, como logo evoluiu.

Sr. Ministro, seu Ministério negou não apenas uma lei de incentivo, negou a uma geração a oportunidade de cuidar de seu espírito com as modernas ferramentas que o mundo oferece.

Com todo meu respeito e admiração,

Francesco Farruggia Presidente

Instituto Campus Party

Contudo, durante a coletiva, Farruggia fez questão de deixar bem claro que sabe que o Ministro compartilha da mesma visão sobre a relevância da cultura digital. Entretanto, o processo de aprovação do incentivo é feito por uma comissão. "É problema do mecanismo pelo qual se concede o incentivo da Lei Rouanet e não do Ministro" afirmou.

Francesco Farruggia, presidente do Instituto Campus Party

A capital do país também vai receber a Campus Party

Durante o papo com os jornalistas, antes do início da feira, Farruggia também anunciou que Brasília receberá, em 2017, uma edição especial da Campus Party. A feira deverá acontecer no segundo semestre do próximo ano e trará um tema que deveria ser um padrão do local: "Dados Abertos e Transparência".

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, compareceu ao Anhembi para prestigiar o evento. Além da capital federal, outras cidades também devem receber edições especiais da feira. Esses locais devem ser anunciados em breve.  

Está na Campus Party 2016? Compartilhe sua experiência Comente no Fórum do TecMundo