Os aplicativos são frequentemente atualizados nas respectivas lojas, como a App Store e a Google Play, e isso não é novidade para ninguém. Contudo, um episódio recente chamou atenção da mídia em um caso muito polêmico: o Spotify não teve a última versão do app aprovada pela Apple no iOS e alegou que a Maçã o bloqueou de propósito para evitar a competição com o Apple Music.

De acordo com a companhia de Tim Cook, o motivo para negar a atualização do utilitário nos iPhones e iPads é por conta de um desacordo no “modelo de regras de negócio” da fabricante. Em outras palavras, a Apple estaria impedindo o Spotify de atualizar o software no iOS porque a empresa adota um método de pagamento diferente do sistema de cobrança nativo da Maçã.

Spotify está reclamando do bloqueio da nova atualização do utilitário na App Store

“A Apple está causando sérios danos ao Spotify e aos seus consumidores”, afirmou a companhia de streaming de música, que não quer só atualizar o seu aplicativo na App Store, mas também criticar um modelo de negócios com o qual muitos desenvolvedores estão descontentes.

Entendendo melhor o sistema de pagamento da Apple

Vamos voltar à raiz do problema: que diabos é o tal “modelo de pagamento” da Apple? Diferente do que ocorre na Play Store, a empresa da Maçã não permite que aplicativos de terceiros utilizem outros métodos de cobrança senão o da própria companhia. Por conta disso, todo o dinheiro de assinaturas passa primeiro pela fabricante de iPhones, que fica com até 30% da receita, e depois chega ao destino original – como o Spotify.

Aplicativos de terceiros devem usar o serviço da Apple para realizar compras in-app, garantindo para a Maçã até 30% da receita coletada

Em outras palavras, a organização de Tim Cook lucra com as compras in-app, o que inclui as assinaturas de serviços de streaming. Para completar a fórmula de lucro, a Apple não gosta que as empresas divulguem maneiras diferentes de pagamento fora do app, ou seja, nada de falar que é possível comprar pelo site.

Esse modelo atrapalha a maioria dos desenvolvedores desde 2011, mas é um impacto ainda mais significativo para companhias que trabalham com streaming e direitos autorais de músicas. Portanto, o bloqueio de atualização da nova versão do Spotify no iOS é por conta de conflitos no meio de pagamento.

O grande motivo da desavença é a taxa de cobrança sobre a assinatura do Spotify no iOS

A resposta do Spotify às cobranças da Apple

Essa taxa adicional já fez outros estragos no passado, como foi o caso da Amazon, que disponibiliza hoje apenas uma versão “capada” do seu aplicativo na App Store e parou de vender Apple TV em suas lojas. O Spotify utilizou por anos o sistema, mas de uma forma diferente: em vez de cobrar a assinatura-padrão de US$ 10 (R$ 32), o valor era de US$ 13 (R$ 42).

Por muito tempo, esse modelo era apenas um incômodo. Porém, como você deve se lembrar, no ano passado a Apple lançou o seu próprio serviço de streaming: o Music. A partir desse momento é que a competição começou a ficar injusta, mas o Spotify não abaixou a cabeça: a empresa começou a divulgar métodos de pagamento fora da App Store, algo que não agradou a Maçã.

Por muito tempo, o Spotify cobrava mais caro na App Store para compensar as taxas. Com o Apple Music, a competição ficou ainda mais injusta

Se você utiliza o serviço de streaming, provavelmente vai se lembrar das superpromoções do Spotify dos últimos tempos: pagar apenas US$ 0,99 (no Brasil o valor oficial é R$ 1,99) por três meses de conta Premium. Porém, há uma grande sacada aí: a promoção só valia se o usuário fizesse isso pelo próprio site do serviço.

A resposta da Apple foi curta e grossa, de acordo com Horacio Gutierrez, conselheiro-geral de advocacia do Spotify, que disse que a companhia de Tim Cook ameaçou remover o utilitário da App Store. Para não perder os usuários de iOS, a companhia teve que voltar atrás com a promoção.

Muitas pessoas criticam a conduta anticompetitiva da Apple

No consenso geral, a conduta da Apple é anticompetitiva

Infelizmente, o caso agora não é apenas o valor cobrado por cada serviço: A Apple não permitiu que a última versão do Spotify seja atualizada porque fere os termos e as condições do modelo de pagamento, algo que a companhia de streaming de música acredita ser um ataque direto para evitar a competição com o Apple Music.

“Este último episódio levanta sérias preocupações sob as leis de competitividade dos Estados Unidos e da Europa. A Apple continua a excluir e diminuir a competição do Spotify no iOS para beneficiar o Apple Music, principalmente quando analisamos o histórico de condutas anticompetitivas da Apple contra o Spotify. Nós não podemos nos manter alheios enquanto a empresa usa o processo de aprovação da App Store como uma arma para ferir os rivais”, afirmou Gutierrez.

O Spotify quer falar mais alto desta vez e bater de frente com a Apple

Para dar continuidade à acusação, a empresa de streaming de música enviou uma carta para alguns membros do Congresso Americano. A senadora Elizabeth Warren criticou a Apple, a Amazon e até mesmo a Google por práticas anticompetitivas, comentando: “A Apple tem usado o domínio sobre o iOS para diminuir a competição em música”.

A Apple tem usado o domínio sobre o iOS para diminuir a competição em música

Atualmente, o Spotify ainda tem vantagem sobre o Apple Music em números de usuários, mas devemos levar em conta que o serviço da Maçã é muito mais recente. Ainda não houve uma resolução do problema, e as empresas não comentaram mais sobre o assunto. Você concorda com qual lado da história?

Cupons de desconto TecMundo: