Veja como o Windows 11 se tornou a versão mais inclusiva do sistema

1 min de leitura
Imagem de: Veja como o Windows 11 se tornou a versão mais inclusiva do sistema
Imagem: Blog Windows
Avatar do autor

Desde o anúncio oficial do Windows 11, em junho, um dos destaques do novo sistema operacional da Microsoft foram os aprimoramentos dos recursos de acessibilidade. Com base nos princípios do design inclusivo, de acordo com a gerente de programas, Carolina Hernandez, a meta da equipe foi “criar experiências eficientes, divertidas e agradáveis para pessoas com ou sem deficiência.”

A jornada teve início em um obstáculo óbvio, mas até então não pensado: as pessoas com habilidades, necessidades e preferências diferentes eram incapazes de encontrar os recursos de acessibilidade no painel de Configurações. Isso porque, nas versões anteriores do Windows, eles estavam na tag “Facilidade de acesso”, que agora se transformou em “Acessibilidade”.

Após facilitar a acessibilidade, o próximo passo foi formalizar o compromisso com as inovações em três metas principais:

  • Reimaginar como os temas de contraste poderiam ser.
  • Repensar os sons do Windows para torná-los mais calmos e informativos.
  • Reformular as configurações de facilidade de acesso de forma explícita.

Inclusão em função e forma

Fonte: Microsoft/Divulgação(Fonte: Microsoft/Divulgação)Fonte:  Microsoft 

Pessoas com visão reduzida e alta sensibilidade à luz necessitam de diferenciação máxima entre texto, planos de fundo e elementos da tela. Porém, os temas de alto contraste no Windows 10 foram considerados por muitos como uma ferramenta excessiva, que não considerou a opinião dos próprios usuários.

A solução encontrada pela empresa foi colocar pessoas com deficiência visual no processo de design desde o início. Isso resultou em quatro novos temas de contraste que conseguem tornar o Windows acessível e fácil de ver, e também mais bonito.

O mesmo aconteceu em relação aos sons do Windows 11: usuários com deficiência auditiva e visual participaram do processo de criação dos sons capazes de preencher a faixa de 250 a 8000 Hz. Eles se tornaram audíveis por pessoas com algum grau de surdez, e úteis para as pessoas cegas identificarem o momento de inserir seu login no sistema.